Publicidade

Estado de Minas

EUA sancionam entidades iranianas por interferência em eleições


23/10/2020 13:55

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos sancionou cinco entidades iranianas nesta quinta-feira (22), incluindo os Guardiões da Revolução, exército ideológico de Teerã, por "tentativas flagrantes" de interferir nas eleições presidenciais americanas de 3 de novembro.

Esses grupos trabalharam para "semear a discórdia entre a população eleitoral, espalhando desinformação online e executando operações de influência maliciosa com o objetivo de enganar os eleitores americanos", afirmou o Tesouro em um comunicado.

"Entidades do governo iraniano, disfarçadas de mídia, visaram os Estados Unidos com o objetivo de minar o processo democrático", acrescentou.

O Tesouro não explica claramente a ligação entre essas sanções e as acusações feitas na noite de quarta-feira pelo Diretor de Inteligência dos EUA, John Ratcliffe.

Ele acusou o Irã de ter obtido dados de eleitores norte-americanos e enviado e-mails "destinados a intimidar os eleitores, incitar a agitação social e prejudicar o presidente [Donald] Trump", que busca sua reeleição em 3 de novembro.

"O regime iraniano usa narrativas falsas e outros conteúdos enganosos para tentar influenciar as eleições dos EUA", disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, nesta quinta-feira, sem maiores detalhes, que prometeu "combater os esforços de qualquer ator estrangeiro que ameace o processo eleitoral".

As entidades alvo são os Guardiões da Revolução e sua unidade de elite para operações estrangeiras, a Força Qods, ambas já sancionadas em diversas ocasiões por Washington.

Nesta ocasião, também sanciona o Instituto Bayan Rasaneh Gostar, apresentado como ferramenta de propaganda dos Guardiões da Revolução, assim como a União Iraniana de Rádio e Televisão Islâmica e a União Internacional de Mídia Virtual.

"Funcionários do Bayan Gostar previram influenciar a eleição explorando questões de sociedade nos Estados Unidos, incluindo a pandemia, e denegrindo personalidades políticas americanas", afirmou o Tesouro.

As autoridades iranianas rejeitaram o que descreveram como "invenções".

O Irã convocou o embaixador da Suíça, que representa os interesses diplomáticos americanos em Teerã, ao negar as acusções "forjadas e grosseiras".

As autoridades americanas "fizeram uma acusação infundada devido à aproximação das eleições de seu país para justificar seu antidemocrático e já definido cenário para desviar a culpa", disse o porta-voz da chancelaria iraniana.

Os Estados Unidos impuseram ontem sanções ao embaixador do Irã no Iraque, acusado de "tentar desestabilizar aquele país" como general dos Guardiões da Revolução.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade