Publicidade

Estado de Minas

ONU pede 15 bilhões de dólares para compra de vacinas contra a COVID

Os recursos solicitados incluem 117 milhões de dólares (100 milhões de euros) da Alemanha, além dos 675 milhões de euros já prometidos


30/09/2020 20:31 - atualizado 30/09/2020 20:57

Antonio Guterres, secretário-geral da ONU(foto: Eskinder DEBEBE / UNITED NATIONS / AFP )
Antonio Guterres, secretário-geral da ONU (foto: Eskinder DEBEBE / UNITED NATIONS / AFP )
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, solicitou nesta quarta-feira(30) uma "injeção imediata" de 15 bilhões de dólares em um fundo global para comprar e distribuir vacinas contra a COVID-19.

A iniciativa ACT-Accelerator, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já recebeu cerca de três bilhões de um total de 38 bilhões de dólares necessários para produzir e entregar dois bilhões de doses de vacinas, 245 milhões de tratamentos e 500 milhões de testes no próximo ano.


Os recursos solicitados incluem 117 milhões de dólares (100 milhões de euros) da Alemanha, além dos 675 milhões de euros já prometidos.


A Grã-Bretanha, que prometeu 250 milhões de libras (320 milhões de dólares), também planeja dar uma libra para cada quatro dólares contribuídos por outros países para chegar a 250 milhões de libras, disse o ministro das Relações Exteriores britânico, Dominic Raab.


O primeiro-ministro sueco Stefan Lovfen disse que contribuirá com 10 milhões de dólares e seu homólogo canadense Justin Trudeau anunciou 440 milhões de dólares canadenses.


O presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse que propôs contribuir de imediato com até 12 bilhões de dólares para a compra de vacinas.


"Esses recursos agora são cruciais para evitar que se perca a janela de oportunidade de fazer compras e produção antecipadas, formar estoques paralelamente às licenças, estimular pesquisas e ajudar os países a otimizar as novas vacinas quando elas chegarem", disse Guterres em um encontro virtual da cúpula.


"Apesar dos esforços extraordinários para conter sua propagação, a pandemia de COVID-19 continua a devastar o mundo e esta semana atingiu um milhão de vidas perdidas", acrescentou.


"Pelo próprio interesse nacional e econômico de cada país, é necessário trabalharmos juntos para expandir massivamente o acesso a testes e tratamentos e apoiar a vacina como um bem público global", afirmou.


Na cúpula, o magnata e filantropo Bill Gates anunciou que sua fundação assinou um novo acordo com 16 empresas de biotecnologia para expandir o acesso global a vacinas, diagnósticos e terapias.


Gates disse que o mundo está a um passo de "uma grande conquista científica". No entanto, destacou que os países de baixa ou média-baixa renda, que equivalem a metade da população mundial, só podem vacinar 14% de sua população contra a COVID-19.


Alex Gorsky, diretor-executivo da Johnson & Johnson, que faz parte da Fundação Gates, disse na cúpula que seu grupo planeja enviar 500 milhões de doses de vacina para países de baixa renda até meados de 2021.


O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse estar "agradecido" pelos compromissos assumidos, mas alertou que ainda resta "uma lacuna financeira significativa para preencher".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade