Publicidade

Estado de Minas

Iniciativa reúne US$ 20 milhões para que ex-condenados da Flórida paguem dívidas e possam votar


22/09/2020 21:43

O multimilionário Michael Bloomberg, o cantor John Legend, o astro do basquete LeBron James e outros doadores reuniram 20 milhões de dólares para que ex-condenados da Flórida paguem suas dívidas e possam votar, o que poderia afetar o resultado das eleições presidenciais americanas.

A Coalizão para a Restauração dos Direitos da Flórida (FRRC) informou nesta terça-feira que arrecadou 20 milhões de dólares para pagar as dívidas das pessoas que já cumpriram suas penas. Uma nova lei da Flórida determina que os ex-condenados que cumpriram pena, mas que ainda tenham multas, indenizações e tarifas judiciais a pagar, não podem se inscrever para votar.

Estas dívidas podem chegar a milhares de dólares, e a maioria não consegue arcar com as mesmas. A medida impede de votar cerca de 750 mil ex-condenados, e afeta, principalmente, negros e hispânicos, em um estado importante para decidir quem irá ocupar a Casa Branca, e onde a diferença entre os candidatos costuma ser mínima.

O ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, que se retirou da campanha pela indicação democrata prometendo que trabalharia para apoiar Joe Biden, é um dos principais doadores. "O direito ao voto é fundamental em nossa democracia, e nenhum americano pode ser privado do mesmo", declarou.

Mais de 44 mil indivíduos de todo o país ofereceram dinheiro à causa, segundo o FRCC. Entre eles, estão o astro do basquete Michael Jordan, a cantora cubana Camila Cabello, os grupos Warner Music e Levi Strauss, os canais de TV Comedy Central, VH1 e MTV, as equipes esportivas Miami Dolphins, Orlando Magic e Miami Heat, e o cineasta Steven Spielberg e a mulher, Kate Capshaw.

"A democracia que imaginamos não é uma em que os americanos sejam obrigados a escolher entre pôr comida na mesa e votar", criticou Desmond Meade, diretor da FRCC. "Com este esforço, estamos criando uma democracia mais inclusiva, da qual todos podem se orgulhar."

A lei, assinada no ano passado pelo governador republicano Ron DeSantis, apoiador de Trump, impôs obstáculos ao voto dos ex-condenados. Ela foi validada há 10 dias por um tribunal de apelações de Atlanta, no qual votou a favor da sua constitucionalidade a juíza cubano-americana Bárbara Lagoa, uma das candidatas de Trump a ocupar a vaga na Suprema Corte deixada pela morte de Ruth Bader Ginsburg.

Cerca de 1,4 milhão de ex-condenados da Flórida haviam obtido o direito a votar sem condições em um referendo realizado em 2018.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade