Publicidade

Estado de Minas

Negociações de paz no Afeganistão começarão 'na próxima semana'


27/08/2020 14:26

O encarregado do processo de reconciliação no Afeganistão, Abdullah Abdullah, mostrou-se confiante, nesta quinta-feira (27), que as negociações de paz entre o governo de Cabul e os talibãs, adiadas há meses, começarão "na próxima semana".

O diálogo interafegão, apoiado pelos Estados Unidos, deveria ter começado em março e, depois de adiado, seu início estava previsto para este mês, após a festa muçulmana Aid al Adha. No entanto, uma série de divergências em torno da troca de prisioneiros causou um novo atraso.

"Posso dizer com uma relativa confiança que as negociações interafegãs começarão na próxima semana", declarou Abdullah, ex-chefe do Executivo afegão, em um evento público em Cabul.

"A equipe de negociação da República Islâmica do Afeganistão está preparada para essas negociações com a determinação firme de representar a voz forte e unida do povo afegão por uma paz duradoura e digna", acrescentou.

Os talibãs não comentaram as declarações de Abdullah Abdullah, feitas alguns dias após uma visita oficial de seus líderes à capital paquistanesa, Islamabad, que os levou a negociar com as autoridades afegãs.

Paquistão, um dos três únicos países que reconheceram o regime talibã nos anos 1990, desfruta de certa influência sobre os insurgentes. Islamabad, a quem Cabul frequentemente acusa de abrigar e financiar os rebeldes, pediu em várias ocasiões pelas negociações entre os talibãs e as autoridades afegãs.

O Paquistão afirma que facilitou as primeiras discussões entre os rebeldes e Estados Unidos, que expulsaram os talibãs do poder em 2001 após cinco anos. Ambas as partes assinaram um acordo em fevereiro no Catar, que valida a retirada das tropas americanas do Afeganistão até meados de 2021, em troca de um diálogo interafegão.

Eeste diálogo ainda não começou, porém, devido às divergências em torno de outra cláusula do pacto, não ratificada por Cabul, sobre uma troca de cerca de 5.000 detentos talibãs por mil prisioneiros membros das forças afegãs.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade