Publicidade

Estado de Minas

Conselho de Segurança da ONU pede que amotinados no Mali voltem aos quartéis


19/08/2020 17:31

O Conselho de Segurança da ONU pediu nesta quarta-feira (19) que os militares amotinados no Mali libertem imediatamente o presidente e outros funcionários do país e retornem "a seus quartéis sem demora".

Em uma reunião de emergência a portas fechadas, os 15 países-membros do Conselho também "destacaram a necessidade urgente de restaurar a lei e avançar no retorno da ordem constitucional", após um motim contra o presidente Ibrahim Boubacar Keita, informou a ONU em um comunicado.

O Conselho somou-se, assim, à condenação internacional unânime e o secretário-geral da ONU, António Guterres, exigiu a "libertação imediata e sem condições" de Keita, que foi preso na terça-feira pelos rebeldes.

Deposto por um golpe de Estado militar e detido com outros membros de seu governo, o presidente anunciou sua renúncia forçada pela televisão.

A reunião do Conselho de Segurança, convocada pela França e pelo Níger, foi celebrada antes que o Assimi Goita se declarasse chefe da junta militar no Mali nesta quarta.

"Me apresento: sou o coronel Assimi Goita, presidente do Comitê Nacional para a Salvação do Povo (CNSP)", declarou à imprensa em Bamako.

"O Mali se encontra em uma situação de crise sociopolítica, de segurança. Não podemos mais cometer erros. Com a intervenção de ontem, o que fizemos foi pôr o país acima de tudo, o Mali diante de tudo", assegurou, cercado de militares armados.

O coronel Goita apareceu diante das câmeras na madrugada de terça para quarta-feira, quando um grupo de militares anunciou a criação deste comitê, que resultou na demissão do presidente Keita, embora não tenha tomado a palavra.

Seu encontro com a imprensa, nesta quarta, ocorreu após uma reunião com altos funcionários na sede do ministério da Defesa.

"Era meu dever me reunir com os diferentes secretários-gerais para que possamos garantir-lhes nosso apoio em relação à continuidade dos serviços do Estado", explicou.

"Após os acontecimentos de ontem, que desembocaram em uma mudança de poder, era nosso dever divulgar nossa posição a estes secretários-gerais para que possam trabalhar", acrescentou.

Anteriormente, um porta-voz do CNSP, o coronel Ismael Wagué, tinha pedido à população que retomasse "suas atividades" e que cessasse o "vandalismo" nas ruas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade