Publicidade

Estado de Minas

Reino Unido em recessão recorde após queda de 20,4% do PIB no 2º trimestre


12/08/2020 06:50

A economia do Reino Unido, gravemente afetada pela crise do coronavírus, sofreu no segundo trimestre uma queda expressiva de 20,4% e a recessão registrada nos seis primeiros meses do ano no país é histórica.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês), que publicou os resultados nesta quarta-feira, esta é a primeira recessão técnica - ou seja dois trimestres consecutivos de contração do Produto Interno Bruto (PIB) - desde a crise financeira de 2009.

O ONS destaca que a contração, que começou a ser sentida em março, foi especialmente difícil em abril, quando a população do país permaneceu totalmente confinada e a atividade econômica foi paralisada.

Com a retomada das atividades nos setores da construção civil e de manufatura, os dados começaram a melhorar em maio, quando o PIB avançou 2,4%, e em junho (+8,7%), graças à reabertura do comércio.

A pior recessão da economia britânica desde que o ONS começou a fazer os cálculos oficiais trimestrais em 1955 reflete as restrições de viagens e atividades desde a entrada em vigor do confinamento no país, em 23 de março, e que teve uma duração mais prolongada que na maioria dos países europeus.

"Eu disse que tempos difíceis nos aguardavam, os números de hoje confirmam. Centenas de milhares de pessoas já perderam os empregos e, infelizmente, nos próximos meses muitas outras perderão também", afirmou o ministro das Finanças, Rishi Sunak.

O Reino Unido registrou o pior resultado da Europa no segundo trimestre, à frente da Espanha (-18,5%).

O ONS explica que, somando os dois primeiros trimestres do ano, o retrocesso da economia britânica alcança 22,1%, "um dado um pouco menor que o registrado na Espanha (-22,7%), mas o dobro do resultado dos Estados Unidos (-10,6%)" no mesmo período.

O baixo rendimento do país que tem o maior número de mortes provocadas pela COVID-19 na Europa também pode ser atribuído a sua forte dependência dos serviços, particularmente os gastos de consumo, que caíram durante o confinamento, e ao fato de que muitos pais foram obrigados a interromper os trabalhos para cuidar dos filhos, afirma a empresa de consultoria Pantheon Macro.

De acordo com a consultoria, as "desvantagens estruturais" devem continuar freando a recuperação no terceiro e quarto trimestres.

O impacto da pandemia e a paralisação das atividades foram suavizadas pelas medidas governamentais sem precedentes e bilhões de libras injetadas pelo Estado por meios de empréstimos ou subsídios ao emprego, assim como pelo Banco da Inglaterra, com a recompra de ativos ou taxas de juros praticamente nulas.

A recessão provoca enormes problemas sociais, com uma redução de 730.000 pessoas entre as pessoas empregadas de março a julho, de acordo com os números oficiais divulgados na segunda-feira.

Quase todos os dias empresas anunciam cortes de postos de trabalho, preocupadas com o fim do programa de desemprego parcial previsto para outubro.

Para o conjunto de 2020, o Banco da Inglaterra prevê uma queda de 9,5% do PIB e uma recuperação lenta em 2021.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade