Publicidade

Estado de Minas

Pandemia aumenta tensão em campos de migrantes superlotados no Panamá


04/08/2020 19:13

"Somos migrantes, não somos escravos", disse Renick Miseney, um haitiano entre cerca de 2.000 migrantes que lotam abrigos no Panamá.

Depois de atravessar a fronteira da Colômbia, refugiados de Cuba, Haiti, Bangladesh, Nepal, Congo, Camarões e Índia ficaram bloqueados no país.

Devido à pandemia do novo coronavírus, eles foram impedidos de continuar sua jornada para os Estados Unidos, Canadá ou México.

Antes da crise, cem deles eram enviados todos os dias, com a permissão de San José, para a fronteira com a Costa Rica, onde continuavam sua jornada, até que as fronteiras foram fechadas pelo coronavírus.

A situação aumentou a tensão nos campos, onde os migrantes pedem melhores condições de acomodação e permissão para prosseguirem.

Autoridades os acusam de incendiar armazéns médicos em La Peñita, um campo em Darien, na fronteira com a Colômbia.

Também denunciam danos a veículos e retenção forçada de funcionários, acusações negadas pelos estrangeiros que culpam a polícia.

- Bloqueados -

Miseney tentava chegar ao México para tentar a sorte com a esposa e o filho de 15 meses.

Mas a pandemia o surpreendeu e agora ele permanece no campo de Lajas Blancas, em Darien.

"Muitos migrantes estão aqui há seis meses. Dormimos e vivemos mal. Não sabemos quando vamos sair daqui", disse Miseney.

"Estamos com cavalos, vacas, burros, cabras, galinhas", disse Miseney.

Em um vídeo enviado à AFP, um haitiano, identificado como Marco, denuncia que cerca de 1.500 pessoas em La Peñita são tratadas "como se fossem cães".

"Não existe vida razoável aqui, as pessoas dormem em papelão e ferro (ferro)", acrescenta.

Cerca de 24.000 pessoas atravessaram a floresta de Darien em 2019 e este ano mais de 4.000 fizeram a mesma jornada, apesar do perigo, segundo dados oficiais.

- Panela de pressão -

Samira Gozaine, diretora do Serviço Nacional de Imigração, informou à AFP que 250 a 300 migrantes seriam deportados por incidentes violentos.

"Eles estão nos ameaçando que, se não permitirmos que eles prossigam, vão continuar (os protestos) até que haja mortos", alertou Gozaine.

A Corte Interamericana de Direitos Humanos solicitou apoio internacional e exigiu que o Panamá garanta os direitos dos migrantes.

O governo panamenho está habilitando uma nova estação com 48 casas para melhorar o atendimento.

"Nós os tratamos como seres humanos e estamos melhorando suas condições", disse o ministro da Segurança do Panamá, Juan Pino.

Pino informou que voos humanitários foram oferecidos aos migrantes que desejassem retornar para seus países.

"Isso é como uma panela de pressão", disse à AFP Walter Cotte, diretor regional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para as Américas e o Caribe.

A gravidade da situação exige que se faça "todo o possível para amenizar a tensão e chegar a um acordo que proteja os migrantes", acrescentou Cotte.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade