Publicidade

Estado de Minas

Pompeo ameaça retomar sanções na ONU se embargo de armas ao Irã for suspenso


30/07/2020 20:37

O secretário de Estado Mike Pompeo deu sua indicação mais clara nesta quinta-feira (30) de que os Estados Unidos tentarão impor sanções ao Irã na ONU se um embargo de armas contra esse país do Oriente Médio expirar.

Pompeo disse ao Comitê de Relações Exteriores do Senado que os Estados Unidos apresentariam uma resolução para estender o embargo contra o Irã "no futuro próximo" e que "esperamos que seja recebido com a aprovação de outros membros do P5", ou seja, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança.

A Rússia e a China, dois dos cinco países com assento fixo no Conselho que detêm poder de veto, querem que o embargo da ONU à venda de armas convencionais ao Irã termine em 18 de outubro, conforme estabelecido em uma resolução de 2015.

"Se não for esse o caso, tomaremos as medidas necessárias para garantir que esse embargo de armas não expire", assegurou Pompeo aos legisladores.

Os Estados Unidos haviam dito anteriormente que têm autoridade para "reverter" as sanções econômicas da ONU que foram levantadas como parte de um acordo alcançado pelas principais potências com o Irã devido a restrições no programa nuclear de Teerã.

"Temos a capacidade de executar um 'snapback' e vamos usá-lo de uma maneira que proteja e defenda os Estados Unidos", disse Pompeo ao comitê.

A resolução de 2015 firmou um acordo de desnuclearização com o Irã negociado pelo ex-presidente Barack Obama, do qual o presidente Donald Trump se retirou em 2018.

Desde então, Trump denuncia repetidamente o acordo, mas Pompeo argumenta que os Estados Unidos segue sendo um "partícipe" no tratado -com o direito de voltar a impor sanções da ONU por violações- tal e como foi incluído na resolução de 2015.

Os aliados dos Estados Unidos são céticos em relação ao argumento legal americano e alertam que tal movimento poderia prejudicar o Conselho de Segurança como instituição.

França e Reino Unido, ouras nações do P5, apoiam a extensão do embargo de armas, mas acreditam que a maior prioridade é encontrar uma solução diplomática para deter o programa nuclear do Irã.

O debate sobre o embargo poderia alcançar um ponto crítico dias antes das eleições presidenciais dos Estados Unidos, marcadas para 3 de novembro. O adversário de Trump, o democrata Joe Biden, apoia um acordo com o Irã.

Após abandonar o acordo, Trump impôs unilateralmente sanções destinadas a estrangular a economia do Irã e reduzir sua influência regional. O governo americano também passou a exigir que outros países deixem de comprar petróleo iraniano.

Na quinta-feira, Pompeo anunciou uma nova ampliação da aplicação das sanções e avisou que os Estados Unidos irá punir qualquer transferência de 22 metais específicos com o Irã, incluindo tipos de alumínio e aço, que podem ser usados em programas armamentistas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade