Publicidade

Estado de Minas

Bielorrússia anuncia prisão de mercenários russos que tentariam "desestabilizar" o país


29/07/2020 14:31

A Bielorrússia anunciou nesta quarta-feira a prisão de 32 supostos "combatentes" russos do grupo militar privado Wagner, com a reputação de serem próximos ao Kremlin, acusando-os de tentar "desestabilizar" o país em vista das eleições presidenciais.

Historicamente aliados, Moscou e Minsk mantêm relações tensas desde o final de 2019, com o presidente autoritário Alexander Lukashenko acusando a Rússia de tentar fazer da Bielorrússia um vassalo e ingerindo na consulta de 9 de agosto.

O principal canal de televisão da Bielorrússia e a agência oficial de notícias de Belta anunciaram essas prisões, depois que as autoridades receberam informações sobre "a chegada ao território de 200 combatentes com o objetivo de desestabilizar a situação durante a campanha eleitoral".

A operação coincide com o trecho final de uma campanha eleitoral marcada por uma mobilização incomum da oposição e pela repressão contra manifestantes e opositores de Lukashenko.

"É necessário pedir explicações imediatas às estruturas russas apropriadas. Se eles são culpados, é necessário sair dessa situação com dignidade", disse ele à TV estatal STV durante uma reunião do Conselho de Segurança da Bielorrússia.

Lukashenko, no poder desde 1994 e buscando um sexto mandato, acusou Moscou de apoiar seus oponentes.

Segundo Belta, os 32 presos na manhã de quarta-feira em um hotel perto de Minsk são "combatentes do grupo militar privado Wagner".

Outro homem foi preso no sul do país, mas Belta não esclarece se é outro suposto "combatente".

Wagner, fundado por alguém próximo a Vladimir Putin, é acusado de ser usado pelo Kremlin em intervenções estrangeiras nas quais a Rússia não deseja se associar oficialmente. Moscou nega, contudo, esse vínculo.

Este grupo de mercenários apareceu no leste da Ucrânia, em guerra desde 2014, e também foi destacado na Líbia e na Síria.

A televisão bielorrussa mostrou imagens das câmeras de vigilância por vídeo da chegada do grupo ao hotel, pouco antes da prisão.

Eles carregavam maços de notas de dólar, passaportes russos e manuais militares.

O grupo atraiu a atenção do hotel por seu comportamento diferente dos turistas russos clássicos. Eles usavam uniformes de estilo militar, não bebiam álcool nem frequentavam locais de entretenimento. Além disso, cada um carregava três grandes malas pretas.

Belta publicou uma lista dos detidos, todos homens entre 24 e 55 anos. O escritor nacionalista Zajar Prilepin, que lutou entre separatistas pró-russos no leste da Ucrânia, confirmou no Facebook que alguns dos presos eram membros de seu batalhão.

A embaixada russa em Minsk anunciou que havia solicitado às autoridades detalhes dessas detenções, afirmando que "não foi oficialmente informada sobre a detenção de cidadãos russos".

As relações entre a Rússia e a Bielorrússia são tradicionalmente cordiais, mas também marcadas por momentos sazonais de tensão, além de por disputas sobre questões energéticas.

Nos últimos meses, Lukashenko multiplicou suas declarações denunciando a pressão russa e tentando manipular as eleições presidenciais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade