Publicidade

Estado de Minas

Sánchez critica Reino Unido por quarentena a turistas vindos da Espanha


27/07/2020 19:13

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, criticou nesta segunda-feira (27) a decisão do Reino Unido de impor desde o último domingo uma quarentena a todos os passageiros vindos da Espanha, uma medida que segundo ele é "desajustada".

Em uma entrevista à emissora Telecinco, Sánchez defendeu a importância de destinos muito dependentes do turismo britânico, como as Ilhas Canárias, Ilhas Baleares, Comunidade Valenciana e Andaluzia.

"Eles têm uma incidência cumulativa do vírus menor do que a que atualmente está sendo registrada no Reino Unido. Ou seja, em termos epidemiológicos, seria ainda mais seguro estar nesses destinos do que no Reino Unido", ressaltou o mandatário socialista.

Sánchez enfatizou que "na Espanha a epidemia está sendo desigual", já que quase dois terços dos novos casos estão sendo registrados em duas regiões, Aragão e Catalunha, no nordeste do país.

Por esse motivo, ele indicou que seu governo está em negociação com os britânicos "para tentar fazê-los reconsiderar uma medida que, em nossa opinião, está desajustada".

Sánchez concedeu a entrevista para responder sobre o impacto no setor do turismo - que representa 12% do PIB espanhol - a partir do anúncio de imposição de quarentena, a partir do domingo, para todos os passageiros da Espanha em entrada no Reino Unido.

As notícias representaram um balde de água fria, já que os britânicos são os principais turistas estrangeiros na Espanha, com o registro de mais de 18 milhões de visitantes no ano passado.

"Vamos continuar trabalhando com as autoridades britânicas", insistiu Sánchez, afirmando que "a situação em grande parte do território espanhol é de um controle bastante importante da epidemia".

Pouco antes, Fernando Simón, diretor do centro de emergências sanitárias no país, pertencente ao Ministério da Saúde, falou sobre o mesmo assunto. Segundo Simón, embora a incidência da epidemia seja agora "maior que há três ou quatro semanas", há áreas em que "o vírus circula muito pouco", como as Ilhas Baleares ou as Ilhas Canárias.

A letalidade é muito menor que a dos meses de março e abril, quando houve o pico da pandemia na Espanha, porém os surtos têm aumentado desde que as medidas de quarentena foram suavizadas a partir do último 21 de junho, que resultou em uma redução das restrições de movimento da população.

Atualmente, existem 361 focos ativos da doença na Espanha, reunindo 4.100 casos, detalhou Simon.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade