Publicidade

Estado de Minas

Nova vice-presidente toma posse no Equador


22/07/2020 16:55

A Assembleia Nacional do Equador empossou María Alejandra Muñoz no cargo de vice-presidente do país nesta quarta-feira para concluir o atual período de governo, que terminará em maio de 2021.

O presidente do Congresso, o parlamentar pró-governo César Litardo, juramentou Muñoz em uma sessão realizada virtualmente pela pandemia do novo coronavírus.

Muñoz, uma advogada de 41 anos e acadêmica que atuou como diretora do Serviço de Alfândega, tornou-se a quarta vice-presidente equatoriana nos últimos três anos.

Ela foi eleita pelo Parlamento na sexta-feira passada a partir de uma lista presidencial - na qual ocupou a última posição - para substituir Otto Sonnenholzner, que renunciou ao cargo a sete meses das eleições gerais do Equador.

Muñoz, que foi ao parlamento tomar posse de seu novo cargo, prometeu combater a corrupção nos dez meses restantes do governo do presidente Lenín Moreno, que assumiu o poder por quatro anos em maio de 2017.

"O funcionário público tem a obrigação de caminhar com mais rigor ao longo do caminho estreito da lei", disse a nova vice-presidente a vários ministros que compareceram à Assembleia Nacional, como a ministra do Interior, María Paula Romo.

Ela acrescentou que "o Equador e o mundo estão passando por uma crise econômica imprevisível, mas a crise mais profunda que estamos enfrentando é a ausência de referências éticas em nossa sociedade".

Muñoz é a quarta vice-presidente de Moreno, eleito nas eleições populares com Jorge Glas, que por sua vez perdeu sua posição depois de ser preso no mesmo ano acusado de receber propinas milionárias da construtora brasileira Odebrecht e foi condenado a seis anos de prisão.

Depois de Glas foi a vez de María Alejandra Vicuña, eleita pelo Congresso em janeiro de 2018 e que teve que renunciar após onze meses, quando foi atingida por um escândalo de corrupção.

Em seguida, a Assembleia nomeou Sonnenholzner como vice-presidente em dezembro de 2018. No entanto, o empresário da mídia e político independente renunciou no início de julho sem especificar suas razões ou se distanciar do governo, embora ele também não tenha descartado a possibilidade de concorrer às próximas eleições.

A sete meses das eleições gerais do Equador, ainda não há candidatos proclamados para a presidência para o período 2021-2025.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade