Publicidade

Estado de Minas

Cisjordânia ocupada em números


postado em 01/07/2020 06:43

Cisjordânia é um território palestino ocupado desde 1967 por Israel, que deseja anexar definitivamente certas partes. O governo israelense deve apresentar a partir desta quarta-feira sua estratégia para implementar o plano dos Estados Unidos para o Oriente Médio, que inclui esta anexação.

- População -

Localizada no leste de Israel e no oeste da Jordânia, a Cisjordânia é um território de 5.655 km2, o equivalente a 1% da superfície da França.

Até o momento, mais de 2,8 milhões de palestinos vivem neste território, onde mais de 450.000 israelenses também vivem em assentamentos considerados ilegais pelo direito internacional.

Segundo dados compilados pela organização israelense "Peace Now", o número de unidades habitacionais aprovadas nos assentamentos israelenses quase dobrou (+ 90%) desde que Donald Trump, um fervoroso defensor de Israel, tornou-se presidente dos Estados Unidos.

A maioria das quase 130 colônias israelenses formam um tipo de rosário ligado por estradas em áreas sob controle militar de Israel.

Segundo dados do governo israelense e de ONGs, quase 10.000 dos 450.000 colonos israelenses que vivem na Cisjordânia residem no vale do Jordão.

Pelo menos 65.000 palestinos vivem nesta área, incluindo a cidade de Jericó (com 20.000 habitantes), segundo a organização anticolonialista israelense B'Tselem.

- Zonas -

Conforme os Acordos de Oslo, assinados nos anos 1990 por israelenses e palestinos, a Cisjordânia está dividida em três setores: A, B e C. A zona C, sob controle exclusivamente israelense, constitui em torno de 60% do território.

Os assentamentos e o vale do Jordão - uma área de terras agrícolas que representa quase 30% da Cisjordânia e que Israel deseja anexar - estão nesta área C.

A Autoridade Palestina exerce poder sobre os 40% restantes da Cisjordânia, que consistem principalmente em centros urbanos.

- Economia -

Segundo o Banco Mundial, a taxa de pobreza na Cisjordânia é de quase 14%. A taxa de desemprego foi de 16% em 2018, de acordo com dados do Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz do Oriente Médio (UNSCO).

Quase 120.000 palestinos trabalhavam diariamente em Israel, ou em assentamentos israelenses na Cisjordânia, antes da pandemia da COVID-19.

O salário médio por dia no setor privado na Cisjordânia é de cerca de 118 shekels (US$ 34,5), em comparação com 237,5 shekels (US$ 69) em Israel e nos assentamentos israelenses, ainda conforme o UNSCO.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade