Publicidade

Estado de Minas

Suprema Corte dos EUA se recusa a bloquear a retomada das execuções federais


postado em 29/06/2020 12:49

A Suprema Corte dos Estados Unidos se negou nesta segunda-feira (29) a interferir na decisão do governo de Donald Trump de retomar as execuções federais em 13 de julho, após uma pausa de 17 anos.

O principal tribunal americano se recusou a considerar um recurso sobre o método de injeção letal escolhido pelo governo republicano.

A menos que outro recurso tenha mais sucesso, Estados Unidos deve executar em 13 de julho Daniel Lewis Lee, um defensor da supremacia branca condenado em 1999 à pena de morte pelo assassinato de um casal e uma menina de oito anos.

A mãe de uma das vítimas pediu a Donald Trump que concedesse sua indulgência ao condenado. No entanto, o presidente ainda não decidiu considerar o pedido.

Trump, que está concorrendo à reeleição em novembro, pede regularmente o aumento do uso da pena de morte, principalmente para os assassinos de policiais ou para narcotraficantes.

O apoio à pena de morte diminuiu entre os americanos, já que atualmente apenas 54% são a favor de sua aplicação, em comparação aos cerca de 80% no início da década de 1990. Apenas um punhado de estados, especialmente no sul conservador, ainda a utiliza.

Em 2019, 22 execuções de presos foram registradas nos EUA.

A maioria dos crimes é julgada a nível estadual, mas os tribunais federais costumam lidar com os atos mais graves (como ataques terroristas, crimes racistas...) ou os cometidos em bases militares ou em reservas indígenas.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade