Publicidade

Estado de Minas

Argentina endurece confinamento em Buenos Aires e periferia até 17 de julho


postado em 26/06/2020 19:14

A Argentina estava prestes a completar 100 dias de confinamento, quando o governo anunciou nesta sexta-feira (26) um endurecimento das medidas de quarentena de 1 a 17 de julho em Buenos Aires e região metropolitana, onde se concentram mais de 90% dos casos de COVID-19 do país.

"Vamos fechar novamente a Área Metropolitana de Buenos Aires (AMBA) para que a circulação diminua drasticamente, para reduzir infecções e a demanda por leitos", disse o presidente Alberto Fernández em uma mensagem divulgada por todos os canais de televisão.

"A partir de 1º de julho, pediremos a todos que se isolem em suas casas", disse Fernández, ao renovar pela sétima vez a quarentena que começou em 20 de março.

A decisão é tomada em meio a um crescimento exponencial nos contágios, com 1.167 mortes em 52.444 casos confirmados.

A ocupação de leitos de terapia intensiva atinge 54% na AMBA, onde vivem 14 milhões de pessoas, quase um terço da população do país, com 44 milhões de habitantes.

Em outras províncias o isolamento social já foi relaxado.

- "Permitiu salvar vidas" -

"Segundo uma pesquisa, um em cada cinco argentinos não é a favor do confinamento. Todos os argentinos gostariam de não precisar se isolar. Gostaríamos também que a economia estivesse funcionando melhor do que estava funcionando", acrescentou o presidente.

A pandemia do novo coronavírus atingiu a economia mundial, mas afeta particularmente a Argentina, em recessão desde 2018 e em negociação com os credores para a troca da dívida por cerca de US $ 66 bilhões em títulos.

Após mais de três meses de confinamento, o Fundo Monetário Internacional prevê para este ano uma queda de 9,9% do Produto Interno Bruto do país que fechou 2019 com aumento da pobreza (35%) e inflação em alta (53%).

O governo argentino destacou que decretar uma quarentena precoce "permitiu salvar vidas" porque achatou a curva de contágios e deu tempo para fortalecer a infraestrutura de saúde.

Nas últimas semanas, a quarentena havia sido gradualmente relaxada, em parte devido a medidas tomadas pelo governo e também diante da crescente necessidade econômica que, apesar dos subsídios do Estado, levou muitos a violar as restrições.

A circulação de automóveis tornou-se quase normal durante o dia em Buenos Aires, onde governa o opositor Horacio Rodríguez Larreta. Muitas lojas foram abertas e caminhadas ou corridas eram permitidas durante a noite, aglomerando dezenas de pessoas em alguns parques.

A periferia, que depende do governador da província de Buenos Aires, o pró-governo Axel Kicillof, também mostrou uma circulação crescente.

- Grupos "antiquarentena" -

Ao mesmo tempo, grupos "antiquarentena" se manifestaram batendo panelas ou com buzinaço nas ruas.

Juan Gabriel Fernández, que teve que fechar sua pequena empresa de venda de lã no bairro de Belgrano em Buenos Aires, acredita que "isso é demais".

"Onde pode ser relaxado é necessário relaxar e não manter as pessoas trancadas ... Existem regiões nas quais se vive como em prisão domiciliar", afirmou.

Para o líder da Câmara de Comércio Argentina, Mario Grinman, "a pandemia foi a gota d'água". Segundo a entidade, o isolamento social causou o fechamento de quase 16.000 lojas em Buenos Aires, afetando milhares de empregos.

O desemprego na Argentina também cresceu: atingiu 10,4% no primeiro trimestre na comparação anual, com um aumento de 0,3 ponto percentual.

"O problema é que a Argentina não tem muita margem ou ferramentas de política econômica para atenuar a crise e essa extensão ocorre no pior momento devido à saturação social, embora isso seja apenas para a AMBA, o presidente já se desgastou no último mês, tudo isso gera ainda mais dúvidas sobre a direção da política econômica geral ", afirmou o cientista político Carlos Fara.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade