Publicidade

Estado de Minas RACISMO

Justiça dos EUA acusa três homens por homicídio de jovem negro

Arbery, de 25 anos, foi morto em plena luz do dia em um bairro residencial da cidade de Brunswick


postado em 24/06/2020 21:25 / atualizado em 24/06/2020 23:54

Wanda Cooper-Jones, mãe de Ahmaud Arbery(foto: Drew Angerer / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)
Wanda Cooper-Jones, mãe de Ahmaud Arbery (foto: Drew Angerer / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)
Os três homens presos após a morte de Ahmaud Arbery, um jovem afro-americano que morreu em 23 de fevereiro na Geórgia, sudeste dos Estados Unidos, foram acusados de homicídio nesta quarta-feira(24).


Arbery, de 25 anos, foi morto em plena luz do dia em um bairro residencial da cidade de Brunswick.


Por mais de dois meses, ninguém foi detido pelos policiais locais. As investigações só foram iniciadas depois que um vídeo do crime foi divulgado nas redes sociais no início de maio.


Um ex-investigador ligado aos serviços da promotoria local, Gregory McMichael, de 64 anos, e seu filho Travis, de 34, foram presos em 7 de maio.


Ambos aparecem no vídeo do assassinato filmado por William Bryan, de 50 anos, preso duas semanas depois.


Várias acusações foram mencionadas nos mandados de prisão como "homicídio" e "tentativa de prisão ilegal".


A acusação formalizada nesta quarta-feira por um grande júri - grupo de cidadãos que participa do julgamento - inclui novas imputações aos três homens, incluindo "homicídio", "agressão" e "falsa prisão".


Os réus "causaram" a morte de Arbery "perseguindo-o com caminhonetes (...) e atirando com armas de fogo", afirma o documento.


"Isso confirma o que o pai de Ahmaud disse há meses: que foi um linchamento", disse o advogado da família, Ben Crump, em nota.


Celebrando um "passo importante rumo à justiça", o advogado expressou seu desejo de que o julgamento dos três homens seja concluído com "penas que reflitam o caráter odioso do crime".


O nome de Ahmaud Arbery foi cantado durante semanas em todo o país em protestos massivos contra a violência e o racismo policial após a morte de George Floyd, um afro-americano sufocado por um agente branco em Minneapolis no final de maio.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade