Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Coronavírus: Argentina pode voltar à quarentena mais dura

Temor do governo argentino é com a disparada no número de casos, depois de imagens de aglomerações nas ruas de Buenos Aires


postado em 12/06/2020 07:46 / atualizado em 12/06/2020 08:40

Governo argentino revê decisão de abrir comércio e setor de serviços (foto: JUAN MABROMATA / AFP)
Governo argentino revê decisão de abrir comércio e setor de serviços (foto: JUAN MABROMATA / AFP)

Após uma rígida quarentena de 80 dias, o governo argentino liberou ruas e parques de Buenos Aires na segunda-feira à noite para atividades ao ar livre. As cenas de multidões aglomeradas e sem máscaras fizeram o presidente Alberto Fernández escrever alarmado para o prefeito da cidade, Horacio Larreta Rodríguez: "Está mal, não pode continuar", disse Fernández.

O temor do governo argentino é com a disparada no número de casos de coronavírus. O país registrou ontem mais um recorde diário de infecções, com 1.226 nas últimas 24 horas, o que elevou o total desde o começo da pandemia para 25.987.

Segundo o relatório do Ministério da Saúde argentino, 735 pessoas morreram até agora de COVID-19, 18 delas nos últimos dois dias. O foco da pandemia continua sendo a Área Metropolitana de Buenos Aires (Amba), com um total de 12.487 casos.

O aumento no número de casos ocorre em meio à reabertura de províncias. Diante da velocidade de contágio, o presidente já avalia acionar o retorno à fase 1 da quarentena, ou seja, com um bloqueio mais rigoroso.

Escolas permanecem fechadas e estão proibidos eventos esportivos ou culturais. Voos comerciais só serão retomados em 1º de setembro. Mas houve permissão para a retomada das atividades físicas, à noite, e a liberação de algumas ruas e parques. Esse processo foi o que irritou Fernández.

"Se digo que podem passear por uma praça, saem para correr e lotam a praça. A dúvida é se a solução é abrir mais praças. Se faço isso, estou convidando mais gente a correr", disse em uma entrevista à Radio Mitre.

Diferentemente do Brasil, na Argentina os Estados são chamados de "províncias" e possuem ministros específicos. O ministro da Saúde da Província de Buenos Aires, Daniel Gollán, alertou ontem sobre os riscos da reabertura obrigatória.

"Se a quarentena for suspensa, em 15 ou 20 dias começaremos a ver as imagens de Nova York, Manaus, Itália ou Espanha, com cadáveres empilhados em câmaras frigoríficas ou em residências de idosos", afirmou Gollán. "Você precisa retroceder de fase. Estamos na parte ascendente da curva." (Com agências internacionais)

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.


Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Gráficos e mapas atualizados: entenda a situação agora
Vitamina D e coronavírus: o que já sabemos
Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa
Animais de estimação no ambiente doméstico precisam de atenção especial
Coronavírus x gripe espanhola em BH: erros (e soluções) são os mesmos de 100 anos atrás
Vídeo: coronavírus, quando isso tudo deve acabar?


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade