Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Estados Unidos ultrapassam marca de 100 mil mortes pela COVID-19

País é o que mais teve óbitos e casos confirmados da doença no mundo


postado em 27/05/2020 17:30 / atualizado em 27/05/2020 18:00

Estados Unidos são o país com maior número de mortes e de casos confirmados de COVID-19 no mundo(foto: Angela Weiss/AFP)
Estados Unidos são o país com maior número de mortes e de casos confirmados de COVID-19 no mundo (foto: Angela Weiss/AFP)
Enquanto veem diminuir os números diários de óbitos e casos confirmados, relaxando as medidas de restrição e isolamento e ampliando a reabertura social e econômica, os Estados Unidos atingem uma marca trágica durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Nesta quarta-feira, o país passou de 100 mil mortes pela doença.

Os estados que registraram mais óbitos pelo novo coronavírus são Nova York (29.339), Nova Jersey (11.339) e Massachusetts (6.473). De acordo com dados divulgados pelo jornal The New York Times, os Estados Unidos já somam 100.046 mortes no total.

Nova York (369.801) e Nova Jersey (156.628) são, também, os estados que mais contabilizaram infectados pela COVID-19. Illinois (114.448) e California (100.371) também passaram dos 100 mil casos confirmados da doença.

Ao todo, já são mais de 1,7 milhão de norte-americanos infectados pelo novo coronavírus. O país é o que mais registrou casos e mortes pela doença em todo o mundo. O Brasil é o segundo em número de casos, com 391.222 pessoas infectadas (dados oficiais).

Por causa dos números no Brasil, já são 24.512 mortes, no último domingo, o governo dos Estados Unidos proibiu a entrada de viajantes que tenham passado por aeroportos brasileiros há menos de 14 dias. 

Nessa terça-feira, os Estados Unidos registraram 657 mortes pelo novo coronavírus. Foi o terceiro dia consecutivo em que o país teve menos de 700 falecimentos confirmados.

Governos estaduais aumentaram testagem e se preparam para abertura econômica pós-lockdown(foto: Olivier Douliery/AFP)
Governos estaduais aumentaram testagem e se preparam para abertura econômica pós-lockdown (foto: Olivier Douliery/AFP)
Mesmo com diminuição nos números oficiais, tanto Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) mostraram preocupação com uma possível segunda onda de contaminados.

Nos últimos dias, a maior parte dos estados norte-americanos têm registrado grande aumento de pessoas nas ruas. Há dois dias, o país teve o Memorial Day, feriado nacional em homenagem aos militares do país mortos em guerras.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade