Publicidade

Estado de Minas

Panelaços e tensão política agitam uma Espanha em desconfinamento


postado em 22/05/2020 11:31

Panelaços todas as tardes e uma crescente tensão política colocam em perigo o governo minoritário na Espanha, que tenta conduzir um desconfinamento gradual, enquanto enfrenta os danos econômicos da pandemia de coronavírus.

Após um debate acirrado, o Congresso aprovou na quarta-feira uma quinta extensão do estado de emergência para a pandemia, até 6 de junho, conforme solicitado pelo governo de Pedro Sánchez: 177 a favor, 162 contra e 11 abstenções.

"O caos é você, e o mais sério é que você presume que é incapaz de proteger os espanhóis mais do que com esse isolamento brutal", acusou o líder da oposição de direita, Pablo Casado, cujo Partido Popular votou contra.

O governo minoritário, com 155 dos 350 assentos, considera essencial manter o estado de emergência em vigor para restringir os movimentos durante a fase de desconfinamento. Esta etapa vai até final de junho.

Para conseguir a última extensão, obteve o apoio de pequenos partidos regionais e da formação de centro direita Ciudadanos, que deu um giro de 180 graus em sua oposição frontal ao governo.

Mas o apoio do Ciudadanos, liberal e anti-independência, irritou os partidos que permitiram que Sánchez permanecesse no poder em janeiro. Entre eles, os separatistas catalães da Esquerra Republicana (ERC), que votaram não.

- "Situação crítica" -

O governo "vive uma situação crítica, porque precisa de apoios por seu um governo minoritário, em um contexto em que não houve trégua política pela pandemia, diferente de outros países europeus", explicou à AFP Paloma Román, diretora da Escola de Governo da Universidade Complutense de Madri.

"Existem dois ringues, o da luta contra a pandemia e o da luta política", aponta Román.

A situação política ficou ainda mais tensa na noite de quarta-feira, quando foi revelado um pacto para que o partido de independência basco EH Bildu se abstivesse na votação. Isso gerou animosidade em setores da Espanha por ser visto como herdeiro do braço político do extinto ETA.

Além disso, ficou evidente o atrito entre os parceiros da coalizão de governo, com a esquerda radical do Podemos afirmando que o acordo deveria revogar na íntegra a reforma trabalhista aprovada pelo governo conservador do PP em 2012 e os socialistas esclarecendo que apenas uma reforma "parcial" foi acordada.

O PP defende que a referida reforma permitiu criar "milhões de empregos" após a crise de 2008, mas a esquerda acusa o partido de ter reduzido o custo das demissões e tornado o mercado de trabalho mais precário.

"O mais dramático é que o governo não possui homogeneidade interna, com uma maioria pendurada por um fio, e no momento em que uma série de medidas deve ser alcançada com urgência" diante do desastre econômico causado pela pandemia, resumiu o cientista político Fernando Vallespín.

"Estamos na pior situação possível", porque "não há maioria alternativa", acrescentou.

Com a tensão política como pano de fundo e a população "muito mais tensa do que o habitual" após dez semanas de confinamento, segundo Paloma Román, nos últimos dias houve protestos diários nas ruas de Madri, Zaragoza, Sevilha e Málaga.

Com panelaços e gritos de "liberdade", os manifestantes acusam o Executivo de restringir os direitos e de incapacidade perante a COVID-19. Até o momento, o novo coronavírus deixou cerca de 28.000 mortos no país.

Embora ainda minoritários, os protestos são alimentados pelo "efeito acelerador" da luta política, segundo Euprepio Padula, especialista em liderança política.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade