Publicidade

Estado de Minas

Celso de Mello determina à PF que investigue acusações de Moro contra Bolsonaro


postado em 28/04/2020 00:25

O ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello determinou nesta segunda-feira que a Polícia Federal abra um inquérito sobre as acusações do recém demitido ministro da Justiça, Sérgio Moro, contra o presidente Jair Bolsonaro, de que tentou "interferir" em investigações policiais.

Em sua decisão, obtida pela AFP, Celso de Mello dá o prazo de 60 dias para que a PF interrogue Moro sobre as acusações feitas em sua demissão, na sexta-feira passada. As conclusões podem tanto abrir o caminho para um pedido de impeachment contra o presidente como uma acusação de falso testemunho contra Moro.

A decisão do ministro foi provocada pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que na última sexta-feira pediu ao Supremo (STF) a abertura de inquérito para apurar declarações de Moro sobre a suposta tentativa de interferência do presidente na autonomia da Polícia Federal, o que Bolsonaro nega.

"Embora irrecusável a posição de grande eminência do Presidente da República no contexto político-institucional emergente de nossa Carta Política, impõe-se reconhecer, até mesmo como decorrência do princípio republicano, a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente venha a praticar no desempenho de suas magnas funções", destaca Celso de Mello em sua decisão.

Para a Procuradoria Geral da República, as declarações de Moro atribuem a Bolsonaro crimes como falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça e corrupção passiva.

Na tarde desta segunda, Bolsonaro declarou que Moro precisará provar as acusações.

"O ministro que saiu fez acusações e é bom que ele comprove. Até para minha biografia, ok? Agora, o processo no Supremo é o contrário, é ele que tem que comprovar aquilo que ele falou ao meu respeito".

"Espero que o Supremo analise para tirar a dúvida. Uma acusação grave que foi feita a meu respeito. Seria bom o Supremo decidir isso o mais rapidamente possível. E o ministro pode apresentar as provas, se ele as tiver, obviamente".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade