Publicidade

Estado de Minas

Estratégia de Merkel para o coronavírus começa a ser criticada


postado em 27/04/2020 08:55

Até agora elogiada por sua resposta à epidemia do novo coronavírus, a chanceler alemã, Angela Merkel, começa a criticada pela opinião pública de seu país, que deseja uma flexibilização das medidas drásticas adotadas na crise de saúde.

A chanceler defende um "desconfinamento" progressivo e critica a falta de paciência da população, que sofre restrições há um mês e meio e teme as consequências econômicas das medidas.

Até o momento, a estratégia adotada pela Alemanha permite ao país registra uma taxa de letalidade inferior a de seus principais vizinhos, o que garantiu a Merkel o apoio de grande parte da opinião pública.

A situação provocou um aumento expressivo da popularidade da chanceler, que há poucos meses era considerada uma política com prazo de validade. Seu movimento conservador CDU/CSU ganhou 10 pontos em dois meses nas pesquisas e atingiu 38% das intenções de voto.

- Críticas -

O clima político está mudando, porém, e as críticas surgem agora dentro de seu próprio partido, a União Democrata-Cristã.

O presidente da Câmara dos Deputados, Wolfgang Schäuble, uma figura política muito respeitada, advertiu contra restrições prolongadas dos direitos fundamentais dos cidadãos.

"Quando escuto que qualquer outra consideração deve ceder à proteção da vida, acredito que este absolutismo não é justificado", afirmou no fim de semana ao jornal Tagesspiegel.

Outro líder do partido CDU, Armin Laschet, candidato à sucessão de Angela Merkel e presidente da poderosa região da Renânia do Norte-Westfália, iniciou um debate com a chanceler e defende o fim acelerado do confinamento.

"Claro que se trata de um assunto de vida ou morte", declarou ao canal ARD, mas "também devem ser considerados os danos que o confinamento provoca, por exemplo, nas crianças que estão trancadas em suas casas há seis semanas".

Laschet criticou as previsões pessimistas, em sua opinião, dos virologistas que são ouvidos pela chanceler - que tem formação científica - e destacou que, em sua região, "40% dos leitos de UTI estão vazios".

O jornal Bild, o mais lido da Alemanha, intensificou as críticas na edição desta segunda-feira e em um editorial pediu à chanceler o "fim de sua teimosia".

- Extrema direita -

Até agora discreta, a oposição também começou as críticas. O presidente do partido liberal FDP, Christian Lindner, acaba de decretar "o fim da grande unidade" nacional sobre o coronavírus.

O FDP está preocupado com o impacto econômico nas pequenas e médias empresas. Também critica as restrições às liberdades individuais impostas pelas autoridades. Esta opinião é repetida por vários movimentos extremistas.

No sábado em Berlim, quase mil pessoas da extrema-esquerda, mas também da direita identitária, reuniram-se para defender a "resistência democrática" ante um Estado autoritário sob o pretexto do confinamento.

Mais de 100 pessoas foram detidas, e uma nova manifestação foi convocada para 1º de maio.

A extrema direita, principal força de oposição na Câmara dos Deputados, também expressou críticas.

"O confinamento generalizado poderia ter sido evitado, e agora não conseguimos sair dele com êxito", afirmou um dos líderes do partido Alternativa para Alemanha (AfD) Sebastian Münzenmaier.

"Todas as lojas deveriam ser reabertas. A população deve ter sua liberdade devolvida", completou.

A AfD não consegue mais aproveitar o tema imigração, assunto relegado a segundo plano na crise atual, mas seu momento pode chegar.

"O partido pode aproveitar as consequências a longo prazo da pandemia, com um exasperado coquetel de recessão, aumento do desemprego e falências de pequenas empresas", alertou a revista Die Zeit.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade