Publicidade

Estado de Minas

Começa na Alemanha julgamento de membro do EI acusado de genocídio contra yazidis


postado em 24/04/2020 11:37

Um suposto membro do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), acusado de ter deixado morrer de sede uma menina yazidi reduzida à escrava, compareceu nesta sexta-feira (24) perante a Justiça alemã por assassinato e genocídio contra essa minoria do norte do Iraque.

Taha al-Jumailly, de 37 anos e originário do Iraque, também é acusado de crimes contra a humanidade, crimes de guerra e tráfico de seres humanos.

Ele compareceu perante o Tribunal Superior Regional de Frankfurt vestindo uma camisa branca e escondendo o rosto com uma pasta.

"Ele pretendia destruir inteira, ou parcialmente, o grupo religioso dos yazidis", disse a promotora na leitura da acusação, durante a qual Jumailly não falou, mas esboçou vários sorrisos.

A audiência, pelo mesmo assassinato, da sua esposa, a alemã Jennifer Wenisch, foi considerada há um ano como o primeiro julgamento no mundo relacionado aos abusos cometidos pela organização jihadista contra a comunidade yazidi, uma minoria de língua curda do norte do Iraque, perseguida e oprimida pelo EI desde 2014.

A mãe da menina assassinada, apresentada como Nora pela imprensa, testemunhou em várias ocasiões em Munique sobre as provações que ela alega que sua filha Rania sofreu.

Segundo a acusação, Jumailly ingressou no EI em março de 2013 e exerceu várias funções até o ano passado em Raca, a "capital" do grupo EI na Síria, bem como no Iraque e na Turquia.

- "Escravas" -

A Justiça alemã o acusa de ter "comprado como escravas", no final de maio, ou início de junho de 2015, uma mulher da minoria yazidi e sua filha de cinco anos. Levadas para Fallujah, foram maltratadas e privadas de comida.

No verão de 2015, a menina foi "punida" pelo acusado por ter urinado em um colchão. Foi amarrada a uma janela do lado de fora da casa, onde estava trancada com a mãe.

Com temperaturas em torno de 50ºC, a menina morreu de sede.

O casal também obrigou a mãe a andar descalça do lado de fora, sofrendo queimaduras graves.

As duas vítimas foram sequestradas no verão de 2014, depois que o EI invadiu a região iraquiana de Sinjar. Foram então "vendidas" em várias ocasiões nos "mercados de escravos", de acordo com a Promotoria.

Detido na Grécia em 16 de maio de 2019, o acusado foi entregue à Alemanha em 9 de outubro e provisoriamente detido.

O julgamento deve durar pelo menos até o final de agosto.

No julgamento de Jennifer Wenisch, a mãe da menina é representada pela advogada libanesa-britânica Amal Clooney e pela yazidi Nadia Murad, que foi escrava sexual do EI e coagraciada com o Prêmio Nobel da Paz em 2018.

Ambas lideram uma campanha internacional para que os crimes cometidos contra os yazidis sejam reconhecidos como genocídio.

No entanto, provar a existência de um genocídio perante a Justiça é difícil, pois a vontade de aniquilar um grupo inteiro como os yazidis deve ser comprovada, de acordo com especialistas.

A pequena minoria étnico-religiosa é considerada a mais perseguida pelos jihadistas, que reduziram suas mulheres a escravas sexuais, recrutaram crianças-soldado à força e mataram centenas de homens.

Em agosto de 2014, o EI realizou um potencial genocídio, segundo a ONU. De acordo com suas autoridades, mais de 1.280 yazidis foram mortos, e mais de 6.400, sequestrados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade