Publicidade

Estado de Minas

EUA sugere que Pequim sabia em novembro de casos de coronavírus


postado em 24/04/2020 11:25

Os Estados Unidos sugeriram, na quinta-feira (23), que a China pode ter tomado conhecimento dos primeiros casos do novo coronavírus em novembro, e não em dezembro, como alegam as autoridades chinesas.

O governo americano acusa a China de ter demorado a avisar o mundo sobre o surgimento do vírus.

"Vocês vão se lembrar que os primeiros casos foram conhecidos pelo governo chinês talvez desde novembro e, sem dúvida, desde meados de dezembro, e levaram tempo para apontar para o resto do mundo, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS)", afirmou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em entrevista a uma rádio de Washington.

A China revelou à OMS a existência de um foco de casos de pneumonia em Wuhan, na província de Hubei, em 31 de dezembro.

Naquela época, havia 44 casos registrados oficialmente, incluindo 11 que contraíram uma forma grave de pneumonia.

A China reagiu nesta sexta, dizendo que as declarações de Pompeo são "totalmente infundadas e com o objetivo de culpar os outros".

Os comentários do secretário de Estado vão "contra o consenso geral da comunidade internacional", disse o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Geng Shuang, em sua entrevista coletiva diária.

Ele afirmou ainda que a China "forneceu informações ao mundo em tempo hábil" e que cooperou ativamente com os demais países.

Inicialmente, a China monitorou de perto as informações sobre o vírus e silenciou seus denunciantes.

O primeiro reconhecimento oficial do que se transformou em uma pandemia global veio em 31 de dezembro, quando as autoridades de Wuhan relataram casos misteriosos de pneumonia.

O diretor de Emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, disse que este órgão da ONU falou pela primeira vez de um evento em Wuhan em 4 de janeiro, via Twitter, e forneceu "informações detalhadas" no dia seguinte a todos os países-membros.

O governo Donald Trump criticou duramente a China e a OMS, responsabilizando ambas por não conseguirem parar a doença que matou mais de 180.000 pessoas no mundo todo.

Já críticos de Trump dizem que ele está tentando desviar a atenção de sua própria má gestão da pandemia. Nos Estados Unidos, o número de mortos chega a quase 50.000, mais alto do que em qualquer outro país.

Em janeiro, o presidente americano alegou que a situação estava sob controle.

Pompeo não descartou que o vírus tenha se originado de um laboratório de virologia em Wuhan e exigiu acesso internacional a este centro de pesquisa.

A China já rejeitou essa teoria, e seus cientistas disseram que o vírus foi, provavelmente, transmitido aos seres humanos em um mercado de carnes de Wuhan, onde se vendia animais exóticos. Recentemente, porém, alguns funcionários chineses questionaram essa origem.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade