Publicidade

Estado de Minas

Senado EUA aprova ajuda de US$ 480 bi a PMEs e combate à COVID-19


postado em 21/04/2020 22:01

O Senado americano aprovou por unanimidade um novo plano de ajuda de quase meio trilhão de dólares para apoiar pequenas e médias empresas (PMEs) afetadas pela crise do novo coronavírus, ajudar hospitais e reforçar os testes de diagnóstico.

Apoiado pelo presidente Donald Trump, o novo plano inclui, entre outros, 75 bilhões de dólares em ajuda para hospitais, 25 bilhões de dólares para testes de diagnósticos do coronavírus e 60 bilhões de dólares para empréstimos a agricultores e pecuaristas. O montante total do pacote é de 480 bilhões de dólares.

O plano será enviado à Câmara de Representantes durante a semana antes de ser promulgado pelo presidente.

Há uma semana, Trump pediu ao Congresso que aprovasse rapidamente o projeto, depois que um primeiro programa de apoio esgotou seus recursos, após favorecer mais de 1,6 milhão de empresas.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, advertiu que as empresas que tentarem se aproveitar do pacote de ajuda "sofrerão as consequências".

Ao falar na coletiva de imprensa diária feita por Trump no âmbito da pandemia, Mnuchin respondeu assim às revelações de que grandes empresas que não deveriam ter acesso ao plano de ajuda às PMEs, teriam se financiado do primeiro pacote de 349 bilhões de dólares.

Por enquanto, Mnuchin disse que incentivava estas empresas a reembolsarem os recursos, mas acrescentou que uma vez esclarecidas as condições sob as quais uma empresa pode receber o dinheiro, qualquer abuso terá consequências.

A hamburgueria gourmet Shake Shack anunciou no domingo que devolverá os 10 milhões de dólares que recebeu do plano.

O programa visa a apoiar uma economia que naufraga, em meio a esforços para conter a pandemia da COVID-19, que já matou mais de 43.000 americanos e deixou 22 milhões sem trabalho.

No fim do mês passado, em meio ao fechamento obrigatório de lojas, restaurantes, estabelecimentos comerciais e várias outras empresas por causa da pandemia, o governo lançou o programa para injetar 350 bilhões de dólares em créditos para que as empresas mantivessem os salários de seus funcionários.

Os bancos canalizaram os pedidos e os recursos do programa terminaram rapidamente.

Os republicanos queriam aprovar exclusivamente uma injeção ao programa de pequenas empresas, mas os democratas lutaram e conseguiram incluir recursos para hospitais e para testes para a COVID-19.

No entanto, o acordo deixou de lado uma demanda-chave dos democratas: fundos adicionais para os governos estatuais e municipais que lutam contra a pandemia.

Trump disse querer que estes recursos sejam incluídos na "próxima iniciativa legislativa".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade