Publicidade

Estado de Minas

Israelenses vão às ruas para 'salvar a democracia'


postado em 19/04/2020 21:13

Milhares de israelenses se manifestaram na noite deste domingo em Tel Aviv contra as ameaças, segundo os organizadores, para a democracia de Israel, no contexto de negociações entre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu ex-rival, Benny Gantz, em busca de formar governo.

Cerca de 2.000 manifestantes, segundo a imprensa do país, atenderam ao chamado do movimento "bandeiras negras" no Facebook e se reuniram na Praça Yitzhak Rabin, em Tel Aviv, para "salvar a democracia".

Os manifestantes queriam expressar sua rejeição ao diálogo em andamento entre Benny Gantz, líder do partido "Azul-Branco" (centro) e o chefe dos conservadores do Likud, Benjamin Netanyahu, acusado de corrupção.

Com máscaras protetoras e vestidos principalmente de preto, os participantes ficaram a dois metros de distância, respeitando as medidas de distanciamento social em vigor para impedir a propagação da pandemia da COVID-19, que oficialmente infectou 13.000 pessoas no país e matou 172.

"Deixe a democracia vencer", estava escrito numa das faixas, enquanto cartazes exibiam "Ministro do Crime".

"A corrupção não é combatida por dentro. Se você está dentro, você faz parte disso", declarou o deputado Yair Lapid, da oposição, contra seu ex-aliado Benny Gantz.

"As democracias morrem por dentro porque as pessoas boas se calam e as pessoas fracas se rendem", acrescentou, denunciando as supostas manobras de Netanyahu para permanecer no poder.

"Estamos aqui para dizer que nunca desistiremos", acrescentou.

Após as eleições de 2 de março, a terceira em que Gantz e Netanyahu se enfrentaram em menos de um ano, o presidente Reuven Rivlin confiou ao político do centro a tarefa de formar um governo.

Mas, em meio a uma pandemia de coronavírus, Gantz optou por formar um governo de "união e emergência" com Netanyahu, o que causou descontentamento entre os apoiadores da oposição.

Segunda-feira à noite era o prazo para Gantz e Netanyahu chegarem a um acordo, mas como esse não era o caso, o presidente Rivlin pediu ao Parlamento que propusesse o nome de um deputado que tenha apoio suficiente, dentro de três semanas, para formar governo.

Enquanto isso, os grupos de Gantz e Netanyahu afirmam que continuam dialogando visando a uma possível união.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade