Publicidade

Estado de Minas

FMI adverte que crise por pandemia pode provocar novos protestos


postado em 15/04/2020 11:19

As dificuldades econômicas causadas pela pandemia do novo coronavírus podem alimentar protestos, alertou nesta quarta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI), que recordou as manifestações ocorridas no Chile, Equador e França nos últimos anos.

O FMI advertiu que "alguns países permanecem vulneráveis a novos protestos - principalmente se as políticas para mitigar a crise da COVID-19 forem consideradas insuficientes ou injustas - mais voltadas para grandes empresas do que para as pessoas".

Na África do Sul, na terça-feira, a polícia disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo contra manifestantes nas favelas da Cidade do Cabo que protestavam contra a falta de comida durante o confinamento.

Centenas de pessoas expressaram sua indignação na frente da polícia, atirando pedras e montando barricadas com pneus reclamando das rações alimentares prometidas pelas autoridades que nunca chegaram.

Em seu relatório semestral, o FMI observou que os protestos são "mais prováveis em países com histórico de corrupção generalizada, falta de transparência nas políticas públicas e má prestação de serviços".

A entidade multilateral sediada em Washington indicou que mesmo os governos com as melhores intenções de aliviar os danos econômicos causados pela crise e o confinamento para conter a propagação do vírus podem enfrentar agitações sociais.

"Os manifestantes não são necessariamente os mais pobres", disse o Fundo.

"Um número crescente de protestos surgiu nos últimos dois anos em várias partes do mundo, desafiando governos e formuladores de políticas públicas a tentar entender as raízes do descontentamento", afirmou.

O relatório aponta como exemplo uma onda de protestos que começou com manifestações contra o aumento nos preços de alguns produtos ou serviços e que se transformou em movimentos mais amplos, como ocorreu em outubro no Equador, onde um aumento na gasolina causou um levante que paralisou o país.

O FMI também citou exemplos como o Chile, onde uma pequena alta no preço do metrô levou a um movimento maciço contra a desigualdade que terminou com a aprovação de um plebiscito para mudar a constituição.

A instituição evocou a ainda a crise dos coletes amarelos na França.

Os autores do relatório instaram os governos a tomar medidas para reduzir as chances desses protestos surgirem.

Isso inclui uma comunicação clara e racional sobre suas políticas, com uma estratégia para superar a oposição e com bases para aliviar o peso que medidas como a alta de um produto podem causar.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade