Publicidade

Estado de Minas

Espanha registra 832 mortes por coronavírus em 24 horas, novo recorde diário


postado em 28/03/2020 12:55

O ministério espanhol da Saúde anunciou neste sábado que 832 pessoas morreram nas últimas 24 horas vítimas do coronavírus, um novo recorde diário no país, que eleva o total de óbitos a 5.690, o segundo maior balanço do mundo.

A Espanha é atualmente o segundo país do mundo com o maior número de mortes provocadas pelo coronavírus, atrás apenas da Itália, que na sexta-feira anunciou um total de 9.134 mortos.

Apesar do recorde de vítimas fatais registrado neste sábado, o percentual de aumento registrou uma queda de 10 pontos na Espanha desde quarta-feira, quando atingiu um vertiginoso 27%.

"A doença está se estabilizando", declarou Fernando Simón, diretor do Centro de Emergências Sanitárias, vinculado ao ministério da Saúde.

A Espanha também registrou mais 8.189 contágios confirmados de coronavírus, o que eleva o número de casos oficialmente diagnosticados a 72.248, com um aumento percentual que também mostra uma tendência de baixa.

O número de pessoas curadas também registrou forte alta, como nos últimos dias (31,3% em 24 horas) e agora são 12.285, de acordo com o boletim diário divulgado pelo ministério da Saúde.

"Estamos atingindo o pico desta curva (de casos) que nos preocupa tanto. Em algumas áreas do país, provavelmente já a estão superando o teto, acrescentou Simón, insistindo, no entanto, na grande pressão que os hospitais devem continuar sofrendo.

"Prosseguimos com um problema importante com a saturação de nossa Unidades de Terapia Intensiva, que pode facilmente ser prolongado por mais 10 dias", alertou Simón.

Nos hospitais, os profissionais trabalham em condições extremas.

Muitas emergências estão saturadas, sobretudo nas regiões mais afetadas como Madri, que concentra quase metade dos mortos (2.757), ou a Catalunha, que superou mil vítimas fatais.

"isto é um tsunami total", disse à AFP Pablo Rodríguez, radiologista do Hospital da Princesa, em Madri.

A taxa de mortalidade em Madri é tamanha que a partir de segunda-feira a cidade habilitará um segundo necrotério em uma instalação pública que estava abandonada. O governo local já havia instalado um necrotério em uma pista de patinação de um centro comercial.

Além disso, o exército e as autoridades locais criaram um hospital de campanha com capacidade máxima para 5.500 leitos no Ifema, um grande centro de convenções da capital espanhola.

A nível logístico, o grande desafio do governo espanhol é comprar, em um mercado internacional tenso, material de proteção suficiente para os profissionais da área da saúde, que segundo os últimos dados disponíveis se aproximam de 10.000 contagiados.

O Executivo também tenta adquirir testes rápidos de diagnóstico, após o fiasco de uma primeira série de mais 650.000 equipamentos procedentes da China, que eram ineficazes.

Para prevenir a propagação da doença, a população espanhola completa neste sábado duas semanas de confinamento, que deve prosseguir no mínimo até 11 de abril.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade