Publicidade

Estado de Minas

Ala radical da extrema-direita alemã diz que se dissolverá


postado em 21/03/2020 20:13

A corrente mais radical da extrema-direita alemã, suspeita de incentivar ataques racistas ou antiseemitas no país, vai se dissolver, anunciou neste sábado o líder do grupo Björn Höcke.

Höcke, portanto, cede a um ultimato da liderança da Alternativa para a Alemanha (AfD), que havia pedido a ele no dia anterior para dissolver esse movimento, batizado com o nome de "A Ala" e que representa aproximadamente um quinto dos membros.

Em uma entrevista à revista de extrema-direita alemã Sezession, Höcke condenou o ultimato, mas considerou que ele estava apenas acelerando uma dissolução que, aos seus olhos, já estava em andamento.

"Essa demanda chega em um momento ruim e atrapalha um processo que a 'Ala' está executando há muito tempo, para que ela pertença à história", disse.

"Atualmente, o que estamos pensando há muito tempo vai acontecer mais rápido", após a crise da liderança da AfD, acrescentou, acusando o partido de ter cedido à pressão internacional.

No entanto, ele alertou que não pretendia, juntamente com seus apoiadores, cerca de 7.000, desistir de suas convicções.

A pressão sobre esse grupo radical aumentou recentemente após a decisão do serviço de inteligência alemão de colocá-la sob vigilância policial, devido ao perigo que representa para o Estado.

Essa sanção ocorreu no contexto de uma onda de terrorismo de extrema-direita, com três ataques cometidos em menos de um ano.

O último foi ocorreu em fevereiro passado em Hanau, perto de Frankfurt, no qual um agressor racista matou nove pessoas de origem estrangeira, antes de cometer suicídio.

A AfD foi acusada de ter incentivado os ataques com seu discurso anti-imigrantes.

Esse movimento de extrema-direita representa o "principal" perigo para a democracia do país, 75 anos após o nazismo, segundo os serviços de inteligência.

Höcke, 47, e seus apoiadores questionam particularmente a cultura de arrependimento da Alemanha por crimes nazistas.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade