Publicidade

Estado de Minas

Um mês de escalada nas tensões entre Turquia e Síria


postado em 28/02/2020 13:55

A tensão tem aumentado desde o início de fevereiro entre Damasco e Ancara, culminando em combates mortais entre soldados sírios e turcos na província de Idlib, a última fortaleza controlada por rebeldes pró-turcos e jihadistas.

- Confrontos inéditos -

Em 3 de fevereiro, tiros de artilharia do regime sírio mataram oito do lado turco. Ancara respondeu bombardeando posições sírias, matando pelo menos 13 pessoas.

Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), os confrontos começaram após a chegada de um comboio turco de 240 caminhões e blindados perto da localidade de Saraqeb, na província de Idlib (noroeste da Síria).

Os soldados turcos visados foram enviados para Idlib, de acordo com Ancara, para reforçar os dezenas de postos de observação turcos na região.

Em Damasco, o comando das forças armadas descreve a presença das forças turcas como "agressão flagrante".

Os combates aconteceram dias depois de o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusar a Rússia de "não honrar" os acordos bilaterais para impedir uma grande ofensiva do regime no noroeste.

Os bombardeios do regime, apoiados por Moscou, se intensificaram desde dezembro na região de Idlib, permitindo que as forças do regime de Bashar al-Assad assumissem vários setores da província, para desgosto de Ancara, que apoia grupos rebeldes.

- Ultimato -

No dia 5, Erdogan exigiu a retirada do regime do noroeste antes do final de fevereiro, ameaçando usar a força.

No dia 7, a mídia turca informou que Ancara enviou novos reforços militares a seus pontos de observação.

No dia 10, cinco soldados turcos foram mortos pelo regime, segundo Ancara. Os bombardeios visaram soldados turcos destacados na base aérea de Taftanaz, segundo o OSDH. Em resposta, Ancara afirma ter respondido com bombardeios maciços.

- Tensões entre Moscou e Ancara -

No dia 12, o presidente Erdogan ameaçou "atingir o regime em todos os lugares" na Síria no caso de um novo ataque contra as forças turcas. Acusou Moscou de participar do "massacre" de civis ao lado das forças do regime em Idlib e denunciou "promessas que não são cumpridas".

Moscou, por sua vez, acusou a Turquia de não fazer nada para "neutralizar os terroristas em Idlib".

No dia seguinte, o representante especial dos Estados Unidos para a Síria, James Jeffrey, disse que Washington estava "em total acordo com a Turquia para defender seus interesses vitais diante do afluxo de refugiados e combater o terrorismo".

- Helicópteros abatidos -

No dia 14, um helicóptero do exército sírio foi abatido e sua tripulação morta. O tiro foi reivindicado por uma aliança de grupos rebeldes pró-Ancara, a Frente de Libertação Nacional (FNL).

Três dias antes, um helicóptero do exército havia sido abatido por um tiro imputado às forças turcas na província de Idlib. A mídia turca culpou os grupos rebeldes pró-Ancara.

O presidente Erdogan excluiu em 26 de fevereiro dar "o menor passo atrás" frente o regime.

- Perdas pesadas -

No dia 27, ao menos 33 militares turcos foram mortos em ataques aéreos atribuídos por Ancara ao regime sírio, elevando a 53 o número de militares turcos mortos em Idlib em fevereiro.

Bombardeios em represália conduzidos pelo exército turco mataram 20 combatentes do regime, segundo o OSDH.

Nesta sexta-feira (28), os presidentes russo Vladimir Putin e o turco expressam, em conversa telefônica, "profunda preocupação".


Publicidade