Publicidade

Estado de Minas

Democratas realizam novo debate ofuscado por processo contra Trump


postado em 19/12/2019 13:55

Os democratas realizam nesta quinta-feira (19) seu sexto debate das primárias dos Estados Unidos, que acontece ofuscado pelo processo de impeachment contra o presidente Donald Trump e a 46 dias do início das votações.

Dos 15 pré-candidatos ainda em disputa, apenas sete cumpriram os requisitos para estar no palco hoje, na Universidade de Loyola Marymount, em Los Angeles, às 17h (22h em Brasília).

Segundo a última média de pesquisas feita pelo site RealClearPolitics (RCP), o ex-vice-presidente Joe Biden mantém a liderança da corrida, com 27,9%, seguido pelo senador Bernie Sanders (19,7%) e pela senadora Elizabeth Warren (15%).

O prefeito de South Bend, Pete Buttigieg, que despontou no debate anterior com suas propostas moderadas e sua desenvoltura midiática, encontra-se em quarto lugar com 8,6%. Em quinto, aparece o magnata e ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, que se somou há menos de um mês à disputa e tem 5,1% das intenções de voto.

- Um processo incerto até a indicação -

Em 3 de fevereiro, em Iowa, começam as votações para as primárias, um longo processo que terminará no meio do ano com a Convenção do Partido Democrata.

Neste processo, no qual à medida que os estados vão votando os diferentes candidatos vão somando delegados, são muito importantes os resultados nos primeiros a votar. Em Iowa, Buttigieg sai na frente com 22,5%, seguido de Sanders (19,3%) e de Biden (18%).

No próximo estado a votar, New Hampshire, a tendência se inverte, e Sanders é o favorito, com 19%. Atrás dele, estão Buttigieg (17,7%) e Biden (14%).

Um dia antes do debate, a Casa Branca apresentou um plano para permitir a importação de medicamentos a preços mais baixos do Canadá e de outros países, abordando um dos temas centrais na campanha: o custo da saúde e os problemas no acesso.

Nos debates anteriores, abriu-se um fosso entre os pré-candidatos do eixo mais de centro, representado por Biden e pelo prefeito Buttigieg, e os que se apresentam como mais progressistas, como Warren e Sanders.

Estes dois últimos defendem um plano de cobertura universal Medicare para Todos, enquanto o ex-vice-presidente de Barack Obama e Buttigieg preferem manter as seguradoras privadas.

"Alguma vez você pulou uma dose de remédio, porque não podia pagar", disse Sanders ontem, depois que surgiram vários casos de pessoas que morreram por não poder pagar a insulina, ou outros medicamentos.

- Sombra de Bloomberg -

Hoje, Biden, de 77, chega ao debate fortalecido pelo apoio recebido de John Kerry, secretário de Estado no segundo mandato do governo Obama. Como acontece a cada debate, porém, surgem os medos por sua propensão a ser excessivamente espontâneo e por seus "brancos".

No início de dezembro, Biden se irritou com um eleitor que questionou o papel de seu filho na companhia de energia ucraniana Burisma, no centro do escândalo que deflagrou o processo de julgamento político contra Trump.

Para enfrentar críticas quanto à sua idade, Biden publicou na terça-feira um atestado médico sobre sua saúde.

O principal capital de Biden é sua experiência e sua promessa de que, se for eleito, o país voltará à normalidade, deixando para trás a polarização da era Trump. Com estas credenciais, Biden parece estar mantendo o papio dos trabalhadores e das comunidades negras.

"Espero ansiosamente para o debate amanhã e discutir como vamos fortalecer nossos sindicatos e como construir uma classe média inclusiva", tuitou o ex-vice de Obama.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade