Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

EUA devem crescer 1,8% no 4º TRI de 2020, aponta pesquisa do WSJ


postado em 18/12/2019 13:54

A economia dos Estados Unidos continuará em expansão pelo décimo primeiro ano, em 2020, apresentando mercado de trabalho saudável e menos chances de recessão, aponta pesquisa do Wall Street Journal. Cinquenta e sete economistas, consultados em dezembro, traçaram uma perspectiva relativamente otimista para o crescimento em 2020, embora em um ritmo mais lento do que em 2019. Os economistas projetam crescimento de 2,2% no quarto trimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano anterior. E o crescimento projetado para 2020 deve desacelerar um pouco, para uma taxa de 1,8% no quarto trimestre.

Os economistas também veem, agora, menores chances de recessão no próximo ano, do que eles previam nos dois meses anteriores.

Ainda de acordo com a pesquisa, os analistas esperam que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) mantenha a política monetária durante o ano eleitoral de 2020, prevendo juros na faixa entre 1,5% e 1,75% ao longo de 2020 - e subindo-a apenas em junho de 2022. Essa é uma grande mudança em relação a seis meses atrás, quando os economistas viam a taxa dos Fed funds em cerca de 2% ao longo de 2020 e 2021.

"A economia está bem equilibrada entre emprego e inflação, então não há necessidade de o Fed agir em 2020, especialmente considerando esse ano de eleições presidenciais com carga política", disse Bernard Baumohl, economista-chefe do The Economic Outlook Group.

Sobre mercado de trabalho, há previsão de que permaneça forte, com mais ofertas de emprego, com um crescimento mensal de cerca de 157 mil vagas na primeira metade do ano e de cerca de 104 mil por mês na segunda metade de 2020. A taxa de desemprego deve subir levemente, de 3,5% em dezembro de 2019 para 3,7% em dezembro de 2020.

Ainda de acordo com a pesquisa, mais americanos devem ingressar na mercado de trabalho, com a taxa de participação na força de trabalho subindo ligeiramente, para 63,5% em média no final de 2020 e 63,6% no final de 2021. A taxa, que corresponde aos trabalhadores empregados ou em busca ativa por emprego, foi de 63,2% em novembro deste ano.

Economistas disseram que suas decepções com a economia em 2019 estavam principalmente relacionadas ao investimento empresarial e à incerteza em torno da política comercial.

"O investimento empresarial entrou em colapso em 2019, com a combinação de crescimento global mais fraco, tensões comerciais persistentes, incerteza política e moderada atividade de restrição da lucratividade corporativa", afirmou Gregory Daco, economista da Oxford Economics.

O maior ponto positivo para a economia em 2019, de acordo com a pesquisa, foi a força dos consumidores americanos, impulsionados pelo forte mercado de trabalho. Os economistas também citaram os três cortes nas taxas dos Fed funds pelo Fed como benéficos para os mercados imobiliário e financeiro. Fonte: Dow Jones Newswires.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade