Publicidade

Estado de Minas

Alemanha protesta após sanções dos EUA contra gasoduto russo


postado em 12/12/2019 13:01

A Alemanha protestou nesta quinta-feira após a imposição pelos Estados Unidos de sanções contra empresas que colaboram com o gasoduto russo Nord Stream 2, que Berlim considera crucial para seu fornecimento, mas que segundo seus críticos reforça a influência de Moscou na Europa.

A Alemanha justificava até agora o projeto - que deve começar a funcionar no final do ano - com os argumentos econômicos, mas agora adota uma linha de defesa mais política.

"A política energética europeia é decidida na Europa e não nos Estados Unidos. Rejeitamos por princípio as intervenções e as sanções exteriores que têm efeitos extraterritoriais", afirmou no Twitter o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas.

Um responsável do partido social-democrata, aliado governamental dos conservadores de Angela Merkel, opinou que os "Estados Unidos volta ao faroeste, onde somente se aplica a lei do mais forte".

O Nord Stream 2 deve permitir duplicar o fornecimento de gás natural russo para a Alemanha, passando sob o mar Báltico, mas evitando a Ucrânia, o que gerou a oposição de Washington - que há meses ameaça a Europa com sanções -, mas também de Kiev e países como a Polônia, preocupados com as ambições russas na Europa.

Segundo esses países, o gasoduto aumentará a dependência dos europeos frente ao gás russo e reforçará a influência de Moscou, enfraquecendo a Ucrânia, aliado dos ocidentais e por cujo território transitava até agora grande parte do gás russo.

A Rússia é o principal exportador de gás natural do mundo.

O gasoduto Nord Stream 2, que custou 9,5 bilhões de euros, é financiado igualmente entre a gigante russa Gazprom e as companhias europeias Wintershall e Uniper (alemãs), Shell (anglo-holandesa), Engie (francesa) e OMV (austríaca).


Publicidade