Publicidade

Estado de Minas

Libertação de dois prisioneiros sugere troca entre EUA e Irã


postado em 07/12/2019 09:30

Um iraniano detido nos Estados Unidos, Massud Soleimani, e um prisioneiro americano no Irã, Xiyue Wang, foram libertados, anunciaram neste sábado o ministro iraniano das Relações Exteriores e o presidente Donald Trump, numa aparente troca de prisioneiros entre os dois países inimigos.

Sinto-me "feliz pelo professor Massud Soleimani e pelo senhor Xiyue Wang que vão encontrar em breve suas famílias", tuitou o ministro iraniano Mohammad Javad Zarif.

Zarif também compartilhou fotos mostrando-o junto com Soleimani em um avião.

Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informou em comunicado a libertação de Wang.

"Depois de ficar detido por mais de três anos no Irã, Xiyue Wang está a caminho dos Estados Unidos", afirmou.

O presidente americano, no entanto, não mencionou a libertação simultânea de Soleimani.

Zarif enviou "um grande obrigado a todos os envolvidos, especialmente ao governo suíço", que representa os interesses dos Estados Unidos em Teerã na ausência de relações diplomáticas entre os dois países desde 1980.

Soleimani "foi libertado alguns momentos após um ano de detenção ilegal e entregue a autoridades iranianas na Suíça", disse a agência estatal iraniana Irna.

Massud Soleimani, professor da Universidade Tarbiat Moddares de Teerã e especialista em células-tronco, foi aos Estados Unidos em 22 de outubro de 2018 para pesquisa e foi mantido em detenção sem julgamento, segundo a Irna.

Xiyue Wang, pesquisador sino-americano, cumpre 10 anos de prisão por espionagem no Irã. Aluno de doutorado em história na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, Wang estava realizando pesquisas sobre a dinastia Qajar no Irã, onde foi preso em agosto de 2016.

As relações entre o Irã e os Estados Unidos deterioraram-se muito desde maio de 2018, quando o presidente Donald Trump retirou seu país do acordo internacional nuclear iraniano, antes de restabelecer unilateralmente as sanções econômicas contra Teerã.


Publicidade