Publicidade

Estado de Minas

Os cães reconhecem as palavras, mesmo pronunciadas por estranhos


postado em 03/12/2019 23:37

Só faltam falar. Os cães podem reconhecer certas palavras, mesmo que pronunciadas por desconhecidos, uma pré-disposição para a compreensão da linguagem que se acreditava era exclusiva dos humanos, revela um estudo divulgado nesta quarta-feira na Royal Society.

Se sabia que os cães domésticos compreendem ordens simples, e que são capazes de reconhecer vozes humanas familiares que pronunciam frases conhecidas, mas não que percebem a palavra humana e sua fonética.

Uma equipe da universidade britânica de Sussex realizou uma experiência com 70 cães domésticos, de diferentes raças, que escutaram sílabas, sem sentido para eles, pronunciadas por desconhecidos: 13 homens e 14 mulheres.

Ao observar a reação dos cães a diferentes estímulos sonoros (pelo método conhecido como "habituação-desabituação"), os pesquisadores descobriram que os animais reconhecem termos como "hid", "had" e "who'd", pronunciados por diferentes pessoas.

Isto revela que conseguem "generalizar os fonemas, independentemente das pessoas que os pronunciam", explicou à AFP David Reby, professor de etologia da universidade francesa de Lyon Saint-Etienne e um dos autores do estudo.

"Até o momento se pensava que esta capacidade de categorizar as palavras, sem treinamento prévio, era exclusiva dos humanos. Mas achamos que não é o caso", acrescentou Holly Root-Gutteridge, da Universidade de Sussex, outra autora do estudo.

"Este tipo de reconhecimento de fonemas é um pré-requisito do idioma, já que para se falar é preciso ser capaz de identificar uma mesma palavra através de diferentes locutores", destaca Root-Gutteridge.

O estudo sugere que os cães conseguem, através de certas palavras - sem sentido para eles ("heed", "heard", "hood"...) - detectar a voz das pessoas que não conhecem.

"São, portanto, capazes de formar muito rapidamente uma representação da voz", outro pré-requisito para compreender a palavra, destaca David Reby.

Outros animais, como as chinchilas ou os ratos, já haviam apresentado capacidades semelhantes, mas com um treinamento prévio.

"É a primeira vez que conseguimos estes resultados de maneira espontânea", destacou Root-Gutteridge.


Publicidade