Publicidade

Estado de Minas

Centenas de pessoas fugiram ou ficaram presas por violência na Colômbia


postado em 30/11/2019 21:25

Ao menos 2.160 pessoas abandonaram suas casas e outras 680 ficaram presas no noroeste da Colômbia, ante possíveis confrontos entre a guerrilha ELN e um grupo narcotraficante de origem paramilitar, informou neste sábado o escritório local de assuntos humanitários da ONU.

Mais de 2.800 civis, de comunidades indígenas e afrocolombianas, sofrem "a crise humanitária e complexa situação de segurança" devido à presença das "Autodefensas Gaitanistas de Colombia (AGC) em zona rural do município de Alto Baudó (Chocó)", indicou em comunicado o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA).

"O medo das comunidades ante possíveis confrontos com outros grupos armados com presença no território (Exército de Libertação Nacional, ELN), assim como recentes ameaças (...) provocaram esta emergência", acrescenta o texto.

Palco de guerra do violento conflito armado colombiano, o departamento do Chocó tem uma posição estratégica para a saída de cocaína para os Estados Unidos através do Pacífico e também para o cultivo de narcóticos.

Entre 2017 e 2018 houve 21.100 deslocados neste departamento, segundo o registro oficial de vítimas.

Reconhecida como a última guerrilha na Colômbia após o acordo de paz que levou ao desarmamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o ELN conta com cerca de 2.300 combatentes e uma extensa rede de apoio em pontos urbanos.


Publicidade