Publicidade

Estado de Minas

Eleições em Hong Kong são revés para China e aumentam as incertezas


postado em 25/11/2019 10:13

O movimento pró-democracia aplicou um golpe no governo de Hong Kong alinhado com Pequim nas eleições locais de domingo, cujo resultado também aprofunda as incertezas no território semiautônomo, após cinco meses de uma crise política sem precedentes.

- Por que o resultado da votação é tão importante? -

Os grupos a favor da democracia aproveitaram essas eleições para demonstrar a amplitude do apoio aos protestos contra a chefe da executiva do pro-Pequim, Carrie Lam, que os atribui a grupos de radicais.

Até agora, a eleição de conselheiros distritais, que gerenciam questões relacionadas a rotas dos caminhões de lixo ou ônibus, gerava pouco interesse.

Mas essas eleições se tornaram um termômetro de opinião. Isso se deve em grande parte ao fato de que a eleição dos 452 membros de 18 conselhos distritais é a única que mais se aproxima de uma representação direta.

O diretor executivo é escolhido por um comitê de personalidades favoráveis a Pequim e a membros do corpo legislativo através de uma mistura de voto universal e designação por grupos de interesse econômico leais ao governo chinês.

- Qual a origem das manifestações? -

Depois de ser uma colônia britânica por mais de um século e meio, Hong Kong foi transferida para a China em 1997, de acordo com um acordo pelo qual Pequim prometeu que a região se beneficiaria de "um alto grau de autonomia".

Porém, nos últimos anos, as medidas tomadas pelo governo chinês e de Hong Kong fizeram temer um revés das liberdades desfrutadas pela população e uma crescente influência da China no território.

Em 2014, o conselho legislativo rejeitou um verdadeiro sufrágio universal e isso foi percebido como uma tentativa de aumentar o controle de Pequim sobre a designação do governante local.

A mobilização começou em junho contra um projeto de lei autorizando a extradição para a China continental de cidadãos de Hong Kong. O texto foi abandonado em setembro, mas as reivindicações aumentaram.

Os manifestantes reivindicam principalmente o sufrágio universal no território de 7,5 milhões de habitantes e uma investigação sobre o que descrevem como violência policial.

- Quais são as consequências para o movimento de protesto? -

O resultado dessa votação pode dar um novo impulso ao movimento de protesto e incentivá-lo a aumentar suas demandas.

Os líderes da pró-democracia pediram a Lam e a seu governo que cedessem imediatamente às demandas, uma das quais é a demissão do executivo.

Várias ações estão planejadas nesta semana para aumentar a pressão e os fóruns na internet usados pelos manifestantes, chamados de grande concentração no domingo.

- Como o governo reagirá? -

Diante dos resultados, Lam prometeu nesta segunda-feira "ouvir humildemente" os eleitores, mas ainda está muito ligada ao poder central chinês.

A China rejeita qualquer questionamento de sua política, particularmente no que diz respeito a sua autoridade sobre regiões como Hong Kong.

Fazer concessões poderia incentivar protestos em outras partes do território chinês.

"Não vejo nada nas declarações do (presidente chinês) Xi Jinping ou de outras autoridades que sugerem que fariam concessões", disse à AFP Willy Lam, analista de políticas de Hong Kong.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade