Publicidade

Estado de Minas

Deputados britânicos aprovam eleições antecipadas em 12 de dezembro


postado em 29/10/2019 19:19

Os deputados britânico aprovaram, nesta terça-feira, a convocação de eleições legislativas antecipadas em dezembro no Reino Unido, como desejava o primeiro-ministro Boris Johnson para retirar o país da paralisia provocada pelo Brexit.

A convocação eleitoral, a terceira em quatro anos, foi aprovada por 428 votos a 20 na Câmara dos Comuns, que já tinha rejeitado uma emenda da oposição trabalhista que agendava a data da votação para 9 de dezembro.

A Câmara dos Lordes (câmara alta) deve ratificar o texto nesta quarta.

Apesar dos debates intensos, o texto tinha boas perspectivas de ser aprovado após o Partido Trabalhista anunciar seu acordo às eleições antecipadas em dezembro.

- Negociação com a oposição -

Depois que a União Europeia (UE) aprovou o terceiro adiamento da saída do Reino Unido do bloco, o primeiro-ministro conservador iniciou uma nova tentativa de levar os britânicos às urnas.

Com as eleições, Johnson espera obter uma maioria absoluta que permita cumprir sua promessa de concretizar o Brexit, apoiado por 52% dos britânicos no referendo de 2016.

Johnson começa com dez pontos de vantagem, segundo as pesquisas. As eleições "agora são a única forma de fazer o país avançar", disse o primeiro-ministro diante dos deputados.

Ele sofreu um duro golpe na segunda, quando a Câmara rejeitou sua primeira versão de convocação para as eleições em 12 de dezembro.

Tirando proveito das sutilezas do sistema eleitoral britânico, Johnson voltou ao ataque por meio de um procedimento que requeria apenas uma maioria simples, apesar do risco de uma batalha de emendas sobre as modalidades das eleições.

Em troca disso, a oposição obteve garantias de que o Brexit não aconteceria antes das eleições.

"Nossa condição de descartar uma saída sem acordo está contemplada agora com o adiamento da data do Brexit aprovada pela União Europeia", declarou o líder trabalhista, Jeremy Corbyn.

Ele prometeu organizar "a campanha eleitoral mais ambiciosa e radical para uma mudança verdadeira no país".

Pelas características do adiamento concedido por Bruxelas, o Reino Unido teria abandonado a UE de forma automática em 1º de dezembro, antes das legislativas, se os deputados ratificassem o pacto em novembro.

Algo impensável para os opositores do acordo. Depois que os conservadores garantiram que o texto do divórcio não seria submetido a debate, vários partidos da oposição se declararam dispostos a apoiar a convocação de eleições antecipadas.

A data do Brexit, inicialmente prevista para 29 de março de 2019, foi adiada para 12 de abril e depois para 31 de outubro.

O adiamento anunciado na segunda-feira prevê como data limite 31 de janeiro, mas abre a possibilidade para que o Reino Unido abandone o bloco em 30 de novembro ou 31 de dezembro, se um acordo de saída for ratificado, de acordo com um documento ao qual a AFP teve acesso.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade