Publicidade

Estado de Minas

Barcelona se prepara para protestos a favor e contra a independência da Catalunha


postado em 26/10/2019 11:31

Barcelona será palco neste sábado e domingo de grandes manifestações a favor e contra a independência da Catalunha, uma semana após os violentos confrontos que se seguiram à condenação de líderes separatistas por tentarem se separar da Espanha.

Os separatistas vão desfilar neste sábado a partir das 17h00 (12h00 de Brasília) perto do Parlamento da Catalunha, convocados pelas associações Assembleia Nacional da Catalunha e Omnium Cultural, que organizam regularmente manifestações em massa.

No domingo, os anti-independência vão desfilar pelo Paseo de Gracia, em resposta à convocação da Sociedade Civil Catalã, que organizou grandes protestos após a tentativa secessionista de outubro de 2017.

Essas serão as primeiras grandes manifestações em Barcelona desde os distúrbios que deixaram cerca de 600 feridos na Catalunha nos dias seguintes à condenação de nove líderes separatistas a penas de até 13 anos de prisão.

Em 14 de outubro, cerca de 10.000 pessoas tentaram paralisar o aeroporto de Barcelona, entrando em choque com a polícia.

Depois, de terça a sexta-feira, manifestações nas principais cidades desta região, de 7,5 milhões de habitantes, degeneraram em violência.

Manifestantes ergueram barricadas e lançaram pedras, bolas de aço e coquetéis molotov contra a polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo e balas de borracha: cenas inéditas num movimento separatista que sempre defendeu se caráter pacífico.

Muitos jovens justificaram a violência pela falta de resultados das grandes marchas pacíficas.

Um total de 367 civis ficaram feridos e quatro deles perderam um olho, segundo a secretaria de saúde do governo regional catalão, e 289 policiais ficaram feridos, segundo a porta-voz do governo espanhol.

A tensão diminuiu e na sexta-feira à noite alguns milhares de estudantes se manifestaram calmamente em Barcelona contra a "repressão policial".

"Neste sábado, o grito de 'Liberdade' ressoará nas ruas de Barcelona", escreveu Omnium em sua conta no Twitter.

- "O separatismo não é a Catalunha" -

Os Comitês de Defesa da República (CRD), mais radicais, também convocaram seus apoiadores à noite, aumentando o medo de novos confrontos.

A marcha anti-independência de domingo pretende, por sua vez, "dizer 'basta' à violência que experimentamos e ao confronto" buscado pelo governo separatista regional, disse à AFP o presidente da associação Sociedade Civil Catalã, Fernando Sánchez Costa.

"Esta é uma mensagem importante para a Catalunha, Espanha e o mundo, onde frequentemente confundimos separatismo e Catalunha", enquanto "somos a maioria", ressaltou.

Membros do governo socialista, incluindo o ministro das Relações Exteriores, o catalão Josep Borrell, que será chefe da diplomacia europeia, participarão da marcha.

Também marcarão presença políticos da oposição de direita, que pedem ao governo medidas excepcionais contra a violência na Catalunha, antes das eleições legislativas de 10 de novembro.

"Acredito que o governo está fazendo o que precisa", respondeu na sexta-feora o chefe do Executivo Pedro Sánchez. "Existem grupos violentos que procuram fazer desta crise uma crise permanente, mas eles receberão uma resposta serena, mas firme".

No poder desde junho de 2018, em parte graças aos votos dos separatistas catalães, Pedro Sánchez iniciou um diálogo que rapidamente foi interrompido.

Ele agora é ignorado pelo presidente da região catalã, o separatista Quim Torra, que pede um "diálogo incondicional", uma maneira de exigir que o governo aceite a organização de um referendo de autodeterminação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade