Publicidade

Estado de Minas

Perguntas e respostas sobre a "zona de segurança" da Turquia na Síria


postado em 18/10/2019 13:55

A Turquia e os Estados Unidos concordaram em criar uma "zona de segurança" no nordeste da Síria para encerrar a ofensiva turca, mas ainda há muitas perguntas sobre sua aplicação e perfil.

- O que é a zona de segurança?

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, quer uma zona de 480 km de comprimento e cerca de 30 km de largura.

Seu principal argumento é a necessidade de seu país criar uma zona intermediária entre sua fronteira e os territórios que estão nas mãos da milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG), consideradas pela Turquia como um "grupo terrorista", mas aliado aos Estados Unidos na luta contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI).

Além desse argumento, Erdogan deseja instalar nesta área parte dos 3,6 milhões de refugiados sírios que atualmente vivem na Turquia.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, declarou na quinta-feira em Ancara que a zona teria 32 km de largura, mas não especificou seu comprimento.

Ele também afirmou que essa zona estaria "principalmente" sob o controle do exército turco.

- O que muda com o acordo EUA-Turquia?

O representante especial dos EUA para a Síria, James Jeffrey, disse na quinta-feira que as forças turcas já haviam entrado cerca de 30 km no território sírio, mas apenas no setor central do nordeste do país, entre as cidades de Tal Abyad e Ras al Ain, isto é, um comprimento de aproximadamente 120 km.

"Os elementos das YPG que estão neste setor vão se retirar (...)", explicou.

Mas Erdgoan reiterou na quarta-feira que a zona de segurança deve se estender por mais de 480 km.

Segundo Hasan Unal, especialista em política internacional da Universidade Maltepe de Istambul, a área desejada por Ancara inclui as cidades de Manbij e Kobane.

No entanto, esse objetivo é difícil pois as forças do governo sírio estão implantadas nessas duas cidades após um acordo com as YPG, afirma o especialista.

Essa questão será discutida na reunião realizada por Erdogan em 22 de outubro com seu colega russo Vladimir Putin, um aliado do regime sírio, estima Unal.

- É um projeto viável?

Segundo Anthony Skinner, do gabinete de consultoria em riscos da Verisk Maplecroft, várias questões permanecem sem resposta sobre essa zona de segurança, especialmente a possibilidade de instalar milhões de refugiados sírios.

"A Turquia não conseguiu obter o financiamento necessário para implementar a infraestrutura de um projeto desse porte", afirma.

O especialista em Síria, Fabrice Balanche, disse à AFP em setembro que "não é possível enviar 3 milhões de pessoas para esta região, onde as áreas habitáveis são reduzidas pois a maior parte do lugar é semi-deserta".

Skinner também afirma que a Turquia não tem uma força aliada de rebeldes sírios grande e forte o suficiente para garantir a conclusão desse projeto.


Publicidade