Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Canal favorito do presidente Donald Trump, até a Fox é alvo


postado em 11/10/2019 07:32

O presidente americano, Donald Trump, criticou nesta quinta-feira, 10, a Fox News, emissora de TV famoso pelo conservadorismo, depois que uma pesquisa feita pelo canal mostrou que mais de 51% de seus entrevistados - eleitores registrados - apoiam o impeachment. O resultado significa quase dez pontos porcentuais a mais do que o de uma mesma pesquisa realizada pela emissora em julho.

O relacionamento da Fox News com Trump tem sido quase leal e estratégico desde que ele foi indicado candidato a presidente pelo Partido Republicano em 2016. No ano passado, durante uma viagem ao exterior, Trump teve um ataque de fúria ao ver que a televisão da primeira-dama, Melania Trump, no Air Force One, o avião oficial da presidência, estava ligada na CNN, que ele chama de "fake news".

Na época, o presidente deu uma bronca à sua equipe dizendo que as TVs do avião deveriam ficar sintonizadas somente na Fox News e na Fox Business e isso deveria ser padrão. Mas o namoro entre os dois começou a esfriar nas últimas semanas quando o presidente passou a expressar sua frustração com o fim da lealdade da emissora com ele.

Segundo a Fox News, desde de julho, o apoio ao impeachment cresceu em todos os segmentos: 11 pontos entre democratas, 5 pontos entre republicanos e 3 entre independentes. Cresceu também em algumas das principais bases eleitorais de Trump, incluindo cristãos evangélicos brancos (5 pontos), homens brancos sem graduação (8 pontos) e homens da zona rural (10 pontos).

Entre mulheres que vivem em subúrbios, um grupo que tem sido uma constante preocupação para os republicanos, 6 em cada 10 apoiam a remoção de Trump do cargo. Mais da metade dos entrevistados disse que Trump está mais focado nos seus interesses do que nos interesses dos EUA.

Entre os homens brancos com graduação, mais da metade aprova o trabalho de Trump na presidência. A aprovação das mulheres de mesmo perfil é de cerca de um terço.

Credibilidade

Apesar de a Fox News manter na grande programas extremamente conservadores, o departamento de pesquisas da emissora é bastante respeitado. As sondagens estão entre as mais conceituadas e são auditadas por republicanos e democratas.

O presidente americano, no entanto, discorda. "A Fox News não serve mais aos EUA", escreveu nesta quinta Trump no Twitter. "Nunca tive uma pesquisa favorável deles. É tão diferente do que costumava ser."

Em seus tuítes, o presidente destacou as divisões de opinião entre alguns comentaristas da rede, como Andrew Napolitano, um juiz aposentado, que defende o processo de impeachment.

Trump disse que Napolitano "é terrível" por ter empregado Donna Brazile - uma experiente comentarista democrata - e depois retuitou um post da âncora da Fox Business Maria Bartiromo, que tem sido uma porta-voz das declarações de apoio ao presidente.

Enquanto Trump criticava a Fox News, seu secretário de Justiça, William Barr, se reunia com o dono da emissora, o magnata Rupert Murdoch. A reunião foi na casa de Murdoch, em Nova York - assessores, no entanto, não comentaram o que foi discutido entre eles.

Mas, como apontou o New York Times, os problemas de Trump com a mídia conservadora vão além de algumas personalidades da Fox. O site Drudge Report, que ganhou destaque durante o impeachment de Bill Clinton, tem se posicionado a favor do impeachment do atual presidente, de quem era um dos grandes apoiadores até então. (Com agências internacionais).


Publicidade