Publicidade

Estado de Minas

EUA: envolvidos em caso ucraniano presos por financiamento ilegal de campanha


postado em 10/10/2019 21:31

Dois cidadãos americanos nascidos no exterior, vinculados aos esforços do advogado do presidente de Estados Unidos para convencer Kiev a investigar o pré-candidato democrata à Presidência Joe Biden foram detidos sob a acusação de violação de leis de financiamento de campanha, noticiou nesta quinta-feira (10) o The Wall Street Journal.

Lev Parnas, nascido na Ucrânia, e Igor Fruman, nascido em Belarus, foram presos na quarta-feira após denúncia apresentada por promotores de Nova York e devem comparecer perante um tribunal no estado da Virgínia nesta quinta, segundo a publicação.

Os dois homens fizeram grandes doações para um comitê de arrecadação de recursos pró-Trump e agora são acusados de violar as regras de financiamento de campanhas, de acordo com o jornal.

O advogado de Trump, Rudy Giuliani, assumiu a defesa de Parnas e Fruman, ambos envolvidos nos esforços do ex-prefeito de Nova York de convencer o governo da Ucrânia a investigar Biden e seu filho, Hunter Biden, que fazia parte do conselho de uma empresa de gás do país europeu.

Trump está no meio de uma investigação para a abertura de um processo de impeachment realizada pela Câmara de Representantes, de maioria democrata, por ter solicitado ao novo presidente da Ucrânia para investigar Biden.

No mês passado, a Câmara baixa enviou cartas a Parnas e Fruman pedindo seus testemunhos e documentos relacionados a suas ações para ajudar Giuliani.

"Um crescente registro público indica que o presidente, seu advogado Rudy Giuliani e terceiros parecem ter pressionado o governo ucraniano para abrir investigações motivadas politicamente", escreveram os líderes do comitê investigador.

"Os comitês têm razões para crer que os senhores possuem informação e documentos relevantes para estes assuntos", acrescentaram.


Publicidade