Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Líderes europeus e políticos britânicos trocam insultos sobre Brexit


postado em 08/10/2019 19:09

O iminente colapso da negociação entre Reino Unido e União Europeia provocou nesta terça-feira, 8, um bate-boca entre líderes europeus e políticos britânicos defensores do Brexit. Os dois lados intensificaram a guerra de relações públicas para se esquivar da responsabilidade do fracasso, tentando jogar a culpa no outro por um divórcio sem acordo.

Após saber que Londres se prepara para abandonar a negociação, Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, disparou contra o premiê Boris Johnson. "Não se trata de ganhar um estúpido jogo de culpa. Está em jogo o futuro da Europa e do Reino Unido. Você não quer um acordo, não quer extensão, não quer revogá-lo, quo vadis (Para onde vais?, em latim)?", escreveu Tusk, no Twitter.

A troca de insultos começou depois que uma fonte do governo britânico relatou que a chanceler alemã, Angela Merkel, durante um telefonema, afirmou ao premiê britânico, Boris Johnson, que um acordo para o Brexit entre Reino Unido e UE seria "extremamente improvável", a não ser que Londres aceitasse novas condições com relação ao futuro das duas Irlandas.

As emissoras Skynews e BBC, que não identificaram a fonte, disseram que Merkel teria exigido que a Irlanda do Norte - território britânico - permaneça na união aduaneira europeia após o Brexit.

Como as duas Irlandas mantêm a única fronteira terrestre entre Reino Unido e UE, se os britânicos saírem do bloco sem um acordo comercial teriam de instalar postos de fronteira para fiscalizar o trânsito de pessoas e mercadorias.

Fronteira da Irlanda é problema para o Brexit

O problema é que, pelo Acordo de Sexta-Feira Santa, firmado em 1998, que acabou com três décadas de violência sectária na Irlanda, os britânicos se comprometeram a não instalar mais controles físicos de fronteira na região - os locais eram alvos constantes de nacionalistas irlandeses.

Além disso, o controle aduaneiro colocaria barreiras às economias de Irlanda e Irlanda do Norte, que já estão integradas e são interdependentes após mais de 40 anos de integração. Pequenos empresários, dos dois lados, rejeitam a ideia.

"Nenhum governo britânico pode aceitar que a Alemanha nos diga que uma parte do Reino Unido tem de permanecer na UE", respondeu Nigel Farage, líder nacionalista britânico e um dos maiores defensores do Brexit.

'Desinformação e pressão'

O chanceler irlandês, Simon Coveney, entrou na discussão, acusando Londres de espalhar "desinformação" e de "pressionar" o governo da Irlanda. "Queremos um acordo, mas não aceitamos ser encurralados." Nicola Sturgeon, premiê da Escócia, também criticou Johnson. "A tentativa do governo britânico de jogar a culpa na UE é patética", disse.

Com a possibilidade de um acordo com a UE entrando no campo do impossível, restam poucas alternativas a Johnson. Ele pode retirar o país da UE dentro do prazo de 31 de outubro, como prometeu, e descumprir a ordem do Parlamento de requisitar uma extensão - correndo o risco de ser preso.

Ou aceitar um novo adiamento do Brexit. Ontem, negociadores europeus se disseram dispostos a conceder mais prazo para a saída, até o verão europeu de 2020. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS


Publicidade