Publicidade

Estado de Minas

Uribe, o influente ex-presidente da Colômbia enfrenta a justiça


postado em 08/10/2019 17:25

Álvaro Uribe, o ex-presidente e político popular na Colômbia, é interrogado na terça-feira (8) pelo mais alto tribunal em um processo que pode desencadear seu eventual julgamento por manipulação de testemunhas.

É a primeira vez que um ex-presidente colombiano responde em inquérito à Suprema Corte.

Uribe, que governou entre 2002 e 2010 com uma política de segurança tão aplaudida quanto criticada, entrou na diligência com escolta. Fora do Palácio da Justiça, simpatizantes e oponentes se reuniam.

O ex-presidente é interrogado a portas fechadas no tribunal que julga políticos com foro privilegiado.

O peso político e a popularidade do também senador Uribe - chefe do partido no poder e mentor do atual presidente Iván Duque - fazem com que seu caso transcenda a esfera jurídica às vésperas das eleições locais de 27 de outubro.

Uribe, 67 anos e presidente de 2002 a 2010 com uma política de mão dura, aplaudida e criticada, enfrenta uma investigação por manipulação de testemunhas em sua qualidade de senador, que pode levá-lo a julgamento por dois crimes relacionados (suborno e fraude processual) e que são puníveis com cerca de oito anos de prisão.

"Não há nenhuma palavra minha que viole a lei", disse Uribe. "Resumo Álvaro Uribe Vélez em uma palavra: honra", disse Duque nesta terça-feira.

A Colômbia entra assim em uma tendência que marcou os países latino-americanos nos últimos anos: a de líderes populares investigados ou processados após deixar o poder e cujos casos se tornam terremotos políticos, dada a importância que mantêm na vida pública.

Isso aconteceu com Lula no Brasil, Cristina Kirchner na Argentina, Rafael Correa no Equador, Alberto Fujimori no Peru ou Ricardo Martinelli no Panamá.

Os apoiadores de Uribe convocaram marchas de apoio nesta terça, depois das que ocorreram em várias cidades no domingo.

Os juízes que ouvem o ex-governador devem determinar se o acusam ou se liberam da suspeita. No primeiro caso, ele enfrentaria um julgamento e, pode-se ordenar sua detenção para impedi-lo de fugir ou interferir no processo. A decisão pode levar dias para ser conhecida.

"O Tribunal analisa as evidências com ponderação, com equanimidade, com o princípio da equidade e com a presunção de inocência daquele grande patriota que é Álvaro Uribe", afirmou José Vicente Ángel.


Publicidade