Publicidade

Estado de Minas

Distúrbios deixam 32 mortos em Papua


postado em 25/09/2019 10:07

O número de mortos nos distúrbios mais sangrentos dos últimos anos em Papua subiu para 32 mortos, informou a polícia nesta quarta-feira.

"A maioria das vítimas morreu por facadas, golpes ou queimaduras graves", disse o porta-voz Ahmad Mustofa Kama.

"A situação em Wamena está agora sob controle", disse ele.

A polícia registrou 28 mortos em Wamena, onde centenas de jovens protestaram na segunda-feira por um suposto incidente racista e vários prédios públicos e privados foram incendiados.

Muitas vítimas morreram nas chamas e 66 pessoas ficaram feridas.

Na capital da província de Jayapura, um soldado foi esfaqueado e três civis morreram com ferimentos de bala de borracha.

Na noite de terça-feira, a sede do governo do distrito de Yalimo, perto de Wamena, também foi queimada, segundo a polícia.

Papua, uma parte ocidental da ilha da Nova Guiné, é palco de tumultos há mais de um mês devido a manifestações e tumultos causados por incidentes racistas contra a população nativa.

Há também um ressentimento contra a aplicação da lei e contra indonésios de outras ilhas do arquipélago.

Esse movimento também promove apelos à independência.

Os tumultos em Wamena nesta semana começaram quando centenas de estudantes do ensino médio se reuniram para protestar contra declarações racistas atribuídas a um professor nas mídias sociais.

A polícia negou as declarações racistas.

Por seu lado, o Movimento Unido pela Libertação da Papua Ocidental, que agrupa várias organizações separatistas, denunciou um massacre, afirmando que 17 estudantes haviam sido mortos a tiros por policiais em Wamena.

Os números do exército e os separatistas diferem, como costuma acontecer na Papua e não podem ser verificados de forma independente.

O líder exilado da oposição, Benny Wenda, solicitou uma visita urgente da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

A província de Papua está passando por uma rebelião esporádica de independência contra o governo indonésio, que assumiu o controle da região, rica em recursos naturais, na década de 1960, após a colonização holandesa.

A parte oriental da ilha é ocupada por Papua Nova Guiné, um estado independente, desde 1975.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade