Publicidade

Estado de Minas

Exército dos EUA assume que deixou nove mortos no Afeganistão


postado em 20/09/2019 15:19

O Exército americano reivindicou um ataque "cirúrgico" contra o grupo Estado Islâmico no leste do Afeganistão, o qual, de acordo com fontes afegãs, matou nove civis "por erro" na quinta-feira (19).

Em um comunicado obtido pela AFP nesta sexta (20), o porta-voz da Força americana no Afeganistão (USFOR-A) explicou que "as forças americanas executaram um ataque cirúrgico contra terroristas do Daesh [acrônimo do Estado Islâmico em árabe] em Nangarhar".

O coronel Sonny Legrett disse que o Exército americano "está a par das alegações pela morte de não combatentes e trabalha com dirigentes locais para determinar os fatos".

O governador do distrito de Khogyani indicou que o bombardeio deixou nove mortos e seis feridos. "Todos eles eram civis", declarou.

Um porta-voz da polícia nesta província do leste do Afeganistão disse que o ataque "tinha como alvo combatentes do Daesh, mas havia atingido civis por engano".

Como um dos feridos explicou à AFP, as vítimas eram agricultores sazonais, que trabalhavam em uma plantação de pinheiros.

Em uma nota, o coronel Liggett afirmou que as forças americanas "combatem em um entorno complexo contra aqueles que matam e se escondem entre os civis".

"De acordo com as indicações iniciais, membros do Daesh se encontravam entre os atingidos pelo bombardeio", acrescentou.

Em um informe apresentado no final de julho, a Missão de Assistência da ONU no Afeganistão indicou que, no primeiro semestre de 2019, a maioria dos civis mortos no conflito afegão foi vítima dos bombardeios das tropas afegãs e americanas, e não dos atentados dos talibãs, ou do braço local do EI.

Nesta sexta, subiu de 29 para 39 o balanço de vítimas letais de um atentado cometido ontem pelos talibãs no sul do Afeganistão. No total, 91 pessoas morreram em uma série de ataques esta semana no país.


Publicidade