Publicidade

Estado de Minas

Sánchez quer maioria clara em novas eleições na Espanha


postado em 18/09/2019 08:01

O primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez, incapaz de reunir apoios externos para um governo, pediu nesta quarta-feira uma maioria ampla para comandar o país, que em novembro organizará suas quartas eleições em quatro anos.

Cinco meses depois de vencer as eleições de 28 de abril, mas sem maioria absoluta, com 123 deputados de 350, o líder socialista culpou os conservadores do Partido Popular, os liberais do Cidadãos e a esquerda radical do Podemos pelo bloqueio de seu governo.

Após uma rodada de consultas com o rei, responsável por solicitar a formação de um Executivo, Sánchez reconheceu na terça-feira à noite não ter reunido o apoio necessário no Congresso.

Como era o único candidato com possibilidades de tomar posse como chefe de Governo, o Parlamento deve anunciar sua dissolução na próxima semana para que novas eleições sejam convocadas em 10 de novembro, o quarto processo eleitoral em quatro anos de instabilidade e fragmentação política no país.

"Espero que os espanhóis concedam uma maioria mais robusta, em caso de vitória do Partido Socialista, para que vocês não tenham a capacidade de bloquear a formação de um novo governo, que é o que a Espanha necessita", afirmou aos deputados da oposição durante um debate no Congresso.

No poder desde junho de 2018, quando desbancou o conservador Mariano Rajoy com uma moção de censura, Sánchez pediu estabilidade diante dos desafios da desaceleração econômica mundial, do Brexit e de uma provável escalada da crise catalã com o anúncio em breve da sentença contra os líderes independentistas que estimularam a tentativa de secessão de 2017.

Pablo Casado, líder do Partido Popular, o segundo maior do país, criticou a "irresponsabilidade" de Sánchez por querer "seguir para eleições desde o início, enganando os espanhóis durante cinco meses".

"Por isto não buscou o acordo com nenhum partido nesta Câmara e tratou a oposição com sua habitual soberba", alfinetou.

Em julho, Sánchez perdeu duas votações para tomar posse depois que as negociações precipitadas de poucos dias com o o Podemos fracassaram porque a esquerda radical considerou insuficiente o espaço oferecido em um governo coalizão.

O socialista propôs apenas um acordo de programa, mas com um Executivo apenas de seu partido. A posse também dependia dos partidos nacionalistas bascos e separatistas catalães.

As pesquisas apontam uma nova vitória socialista em novembro, mas outra vez sem maioria absoluta.


Publicidade