Publicidade

Estado de Minas AL-QAEDA

EUA confirmam morte de filho de Bin Laden


postado em 15/09/2019 04:00 / atualizado em 14/09/2019 16:43

O presidente americano, Donald Trump, confirmou ontem a morte de Hamza bin Laden, o filho de Osama bin Laden considerado seu herdeiro à frente da rede Al-Qaeda. Seu óbito já havia sido anunciado pela imprensa americana no fim de julho.
 
“Hamza bin Laden, o alto responsável da Al-Qaeda e filho de Osama bin Laden, foi abatido em uma operação de contraterrorismo realizada pelos Estados Unidos na região do Afeganistão/Paquistão”, disse Trump em um comunicado. “A perda de Hamza bin Laden não apenas priva a Al-Qaeda de sua autoridade e de sua conexão simbólica com seu pai, mas também enfraquece importantes atividades operacionais do grupo”, afirmou. “Hamza bin Laden planejou e trabalhou com diversos grupos terroristas.”
No fim de agosto, o secretário da Defesa, Mark Esper, foi a primeira autoridade americana a se manifestar publicamente sobre a morte de Hamza bin Laden.
 
Ao ser questionado em uma entrevista se o líder extremista havia morrido, respondeu: “Foi o que eu soube”. Negou-se, porém, a dar mais informações. “Não tenho detalhes. E, se tivesse, não tenho certeza de que poderia compartilhá-los com vocês”, declarou Esper, à época.
Considerado sucessor designado por Osama bin Laden, o fundador da rede que cometeu os atentados do 11 de setembro de 2001, Hamza estava na lista dos EUA de pessoas acusadas de “terrorismo”. Nascido em 9 de maio de 1989, em Jidá, na Arábia Saudita, ele era o 15º filho dos 20 de Bin Laden, fruto de sua união com sua terceira esposa, Hamza.
 
Hamza começou a acompanhar o pai antes dos atentados de 11 de setembro de 2001, ainda na adolescência. Foi com Bin Laden que aprendeu a manejar armas. Vários documentos mostram que Osama bin Laden o preparava para lhe suceder na “guerra santa mundial contra o Ocidente”.
Em fevereiro, Washington havia oferecido uma recompensa de até US$ 1 milhão por qualquer informação sobre seu paradeiro. O governo americano acreditava que, após a morte do pai, em 2011, Hamza havia, de fato, assumido a liderança da Al-Qaeda.


Publicidade