Publicidade

Estado de Minas

Washington investigará práticas comerciais de grandes plataformas digitais


postado em 23/07/2019 22:31

O governo americano anunciou nesta terça-feira (23) que vai investigar as práticas comerciais de grandes plataformas on-line para determinar se têm sufocado a inovação ou reduzido a concorrência.

O anúncio feito pelo departamento de Justiça dá sinais de uma ampla investigação sobre grandes empresas tecnológicas que dominam segmentos-chave do mercado como buscas na web, redes sociais e comércio eletrônico.

O comunicado não menciona companhias específicas, mas pareceu a se referir a Facebook, Google e Amazon, que dominam áreas fundamentais da economia digital.

A Apple também poderia estar na linha de fogo já que, embora venda principalmente iPhones e outros dispositivos eletrônicos, administra uma loja on-line, a App Store.

A investigação buscará saber "se e em que medida as principais plataformas on-line ganharam poder no mercado e desenvolvem práticas que reduziram a concorrência, sufocando a inovação ou de que outra forma prejudicaram os consumidores", destacou o Departamento de Justiça em um comunicado.

Os gigantes da tecnologia estão sob intenso escrutínio de políticos e reguladores que querem reduzir seu poder e que se aplique uma política de privacidade mais severa aos dados pessoais dos usuários, além de impor normas para moderar seu conteúdo.

A comissão judicial da Câmara de Representantes anunciou, no começo de junho, a abertura de uma investigação sobre "a concorrência no mercado digital", afirmando que "um pequeno número de plataformas dominantes e não reguladas" tinha "um poder extraordinário no comércio, na comunicação e na informação on-line".

Por exemplo, suspeita-se que, nos resultados dos motores de busca, o Google favoreça seus próprios serviços em detrimento dos concorrentes.

O propósito da investigação anunciada nesta terça-feira é "avaliar as condições da concorrência" em plataformas on-line e "garantir que os americanos tenham a opção de competir", disse o comunicado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade