Publicidade

Estado de Minas

Irã ignora pedidos internacionais para liberar petroleiro britânico


postado em 20/07/2019 17:49

Londres instou, neste sábado, o Irã a reduzir a tensão no Golfo liberando um petroleiro de bandeira britânica que, disse, havia sido apreendido ilegalmente no dia anterior no Estreito de Ormuz em um gesto "totalmente inaceitável".

No entanto, o Irã ignorou este pedido, assim como outros similares dos Estados Unidos e seus aliados para que libere o petroleiro.

A Guarda Revolucionária iraniana disse que se aproximou do "Stena Impero" na sexta-feira porque o navio "não respeitou o código marítimo internacional" nessa passagem pela qual circula um terço do petróleo mundial.

O navio, de propriedade sueca, foi transferido para o porto iraniano de Bandar Abbas, de acordo com as autoridades portuárias da província de Hormozgan.

É a segunda apreensão de um navio em poucos dias pelo Irã.

O ministro britânico das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, disse ao final de uma reunião interministerial de emergência que "o desejo do Reino Unido é atenuar a situação".

Ao mesmo tempo, insistiu em que o petroleiro "Stena Impero" foi apreendido em águas omanis, "em uma clara violação do direito internacional".

"É total e completamente inaceitável", afirmou Hunt.

A captura do barco ocorreu horas após a justiça do encrave britânico de Gibraltar decidir estender por 30 dias a retenção de um petroleiro iraniano, interceptado em 4 de julho sob suspeita de querer entregar petróleo à Síria em violação das sanções europeias contra Damasco.

Hunt disse que não era a mesma coisa: "o 'Grace 1' foi detido legalmente em águas de Gibraltar porque levava petróleo à Síria, violando as sanções da União Europeia".

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que o que aconteceu mostra o que ele diz sobre o Irã: "Problemas, nada além de problemas".

Tanto a França quanto a Alemanha pediram ao Irã que liberte imediatamente o petroleiro britânico.

"Uma nova escalada seria muito perigosa para a região", advertiu Berlim.

"Uma ação desse tipo prejudica a necessária escalada de tensões na região do Golfo", advertiu Paris.

Por sua vez, a União Europeia lamentou que "nesta situação já tensa, esta notícia apresente o risco de aumentar a escalada e enfraquece o trabalho para resolver a crise".

- Choque com pesqueiro -

Segundo Allah Morad Afifipoor, diretor-geral da autoridade portuária e marítima da província de Hormozgan, o "Stena Impero" "colidiu com um barco de pesca".

As pessoas a bordo do navio de pesca "entraram em contato com o navio-tanque, mas não tiveram resposta", e então informaram a autoridade portuária de Hormozgan.

"De acordo com a lei, depois de um acidente é necessário investigar as causas e, portanto, a autoridade portuária abriu uma investigação neste sábado", acrescentou o funcionário iraniano.

Os 23 tripulantes estão a bordo, disse Afifipoor, citado pela agência Fars.

Dezoito, incluindo o capitão, são de nacionalidade indiana e os outros são filipinos, letões e três russos.

As autoridades indianas, filipinas e letãs disseram que pediram ao Irã para libertar seus cidadãos.

Na quinta-feira, a Guarda Revolucionária já havia anunciado que manteria outro petroleiro "estrangeiro" e sua tripulação suspeita de entregar combustível "contrabandeado" no Golfo.

Desde então, nenhuma informação foi fornecida sobre esse navio.

A região do Golfo e o Estreito de Ormuz são palco de fortes tensões entre os Estados Unidos e o Irã.

Essas últimas 24 horas foram marcadas por uma polêmica sobre um drone "iraniano" que os americanos dizem ter derrubado no estreito, algo que Teerã nega.

Washington reforçou sua presença militar no Golfo, acusando o Irã de estar por trás de atos de sabotagem contra quatro petroleiros perto do Estreito de Ormuz em maio, e dois ataques de origem desconhecida em meados de junho contra dois petroleiros - um deles japonês e outro norueguês - ao longo das costas iranianas no Golfo de Omã.

Teerã nega todas essas acusações.

As tensões entre o Irã e os Estados Unidos ressurgiram fortemente em 2018, quando Trump se retirou do acordo internacional para controlar o programa nuclear iraniano, considerando-o benevolente demais para com Teerã, e mais uma vez impôs sanções contra a república islâmica.

- Mobilização dos EUA na Arábia Saudita -

Em meio a essas tensões que revivem o medo um conflito, a Arábia Saudita, aliada dos Estados Unidos e principal rival regional do Irã, anunciou que, pela primeira vez desde 2003, as forças americanas tomarão posições em seu território.

"O rei Salman aprovou o acolhimento das forças dos Estados Unidos para aumentar o nível mútuo de cooperação para preservar a segurança da região e sua estabilidade e garantir a paz", disse um porta-voz do ministério da Defesa da Arábia Saudita.

"Isso terá um efeito suplementar de dissuasão e fortalecerá nossa capacidade de defender nossas tropas e nossos interesses na região contra ameaças emergentes e confiáveis", afirmou o Pentágono em um comunicado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade