Publicidade

Estado de Minas

Localidade próxima ao Polo Norte registra recorde de calor


postado em 17/07/2019 00:38

O termômetro atingiu, no domingo, 21 graus centígrados em Alert - a localidade habitada mais setentrional do planeta, a menos de 900 km do Polo Norte - e estabeleceu um "recorde de calor absoluto" para o verão boreal, informou nesta terça-feira a meteorologia canadense.

"É impressionante do ponto de vista estatístico, é um exemplo entre centenas de outros recordes estabelecidos pelo aquecimento global", disse à AFP Armel Castellan, meteorologista do Ministério do Meio Ambiente do Canadá.

Alert, uma base militar permanente estabelecida no paralelo 82 fundamentalmente para a intercepção de comunicações russas, é sede de uma estação meteorológica desde 1950.

Em 14 de julho, a base registrou 21 graus, e em 15 de julho, 20 graus. "Este é um recorde absoluto, nunca o havíamos visto antes", disse Castellan.

As altas temperaturas que se registram no norte "são totalmente devastadoras", sobretudo porque "tivemos temperaturas muito mais quentes que o habitual durante uma semana e meia".

O recorde anterior de 20 graus centígrados foi estabelecido em 8 de julho de 1956, mas desde 2012 houve vários dias com temperaturas de entre 19 e 20 graus nesta estação.

A média diário em Alert para um mês de julho é de 3,4 graus e a temperatura média máxima é de 6,1 graus.

Não é exagerado falar de uma onda de calor ártica", disse David Phillips, especialista do gabinete de Meio Ambiente e Mudança Climática do governo canadense.

"O norte, do Yukon até as ilhas do Ártico, registrou sua segunda ou terceira primavera mais quente", assinalou Phillips.

Os modelos de previsões do governo canadense "revelam que isto continuará em julho e entre agosto e princípio de setembro".

A atual onda de calor se deve a uma frente de alta pressão sobre a Groenlândia, que é "bastante excepcional" e alimenta os ventos do sul no Oceano Ártico, destacou Castellan.

O Ártico está se aquecendo três vezes mais rápido que outras partes do planeta, disse o cientista, destacando a urgência de uma drástica redução das emissões de carbono.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade