Publicidade

Estado de Minas

Pilotos pedem mais treinamento antes de voltar a voar no 737 MAX


postado em 19/06/2019 18:40

Vários pilotos como Chesley Sullenberger, o herói que evitou uma catástrofe ao pousar um avião em um rio, exigiram uma formação melhor para seus colegas destinados a pilotar o Boeing 737 MAX, com uso suspenso depois de dois acidentes que causaram a morte de 346 pessoas.

"Está claro que a versão original do MCAS (software instalado para acomodar o novo e mais potente motor que muda as características de voo do 737 MAX) foi fatalmente falha e nunca deveria ter sido aprovada", disse o comandante Sullenberger.

"Sully" tornou-se um herói da aviação civil em janeiro de 2009, depois de salvar todos os passageiros e tripulação ao aterrissar no rio Hudson com os dois motores desligados.

Diante do subcomitê de aviação da Câmara dos Representantes, Daniel Carey, presidente do poderoso sindicato de pilotos dos EUA, acusou a Boeing de ter sido "desonesta no passado" e de não alertar os pilotos sobre a existência desse sistema.

A questão do treinamento dos pilotos passou rapidamente ao primeiro plano dos debates e questionou-se se os pilotos deverão ser colocados em simuladores de voos.

Essa solução levaria tempo, devido à falta de simuladores suficientes, e é considerada muito cara.

A Boeing tem trabalhado arduamente há vários meses para corrigir o MCAS, um sistema relacionado ao acidente de Lion Aire na Indonésia em 2018, e no da Ethiopian Airlines, em março na Etiópia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade